501kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

A Netflix produz um documentário sobre a vida dos bailarinos da Madonna

Este artigo tem mais de 5 anos

Um documentário da Netflix revela os prós e os contras da tournée "Blonde Ambition" e da sua comitiva.

Madonna transformou os seus bailarinos em ícones gays.
i

Madonna transformou os seus bailarinos em ícones gays.

CTM Docs/Youtube

Madonna transformou os seus bailarinos em ícones gays.

CTM Docs/Youtube

Numa altura em que os homossexuais eram escondidos pelos media, Madonna transformou os seus bailarinos em ícones gays, sendo que seis dos sete pertenciam a grupos LGBT. Cada um deles representava um estrato social diferente, uma etnia diferente… Um afroamericano, um latino, um emigrante belga… E todos eles se submeteram às regras e ordens da rainha do pop. Acabaram por se converter não só na sua comitiva, como em estrelas e heróis para as pessoas que precisavam de ser ver representadas em alguém. Tudo isto está em Strike a Pose, o documentário da Netflix que retrata a vida dos bailarinos da Madonna durante a tournée Blonde Ambition, feita em 1990.

Os anos 90 foram marcados pela propagação da SIDA, pelo desconhecimento e pelos ataques conservadores, porém Madonna mostrou-se indiferente à conjuntura mundial.

“Entrámos em pânico com a SIDA. Necessitávamos de algo novo, os anos 90 eram o momento, e só alguém como a Madonna podia fazê-lo”, diz Juan, um dos bailarinos que tem presença neste documentário, revela ao El Español.

Em In Bed With Madonna, os bailarinos eram protagonistas de cenas sexuais em conjunto com a própria cantora. Este ambiente era proporcionado pelo jogo do “Verdade ou Consequência” que deixava espaço para demonstrações provocativas e sensuais. Foi neste filme que muitos assistiram pela primeira vez ao beijo entre dois homens, já que nunca anteriormente se havia normalizado tanto a homossexualidade.

Tudo isto está retratado em Strike a Pose, que reúne todos quantos participaram nesta tournée, com exceção de Gabriel, que morreu vítima de SIDA em 1995. Este era um dos bailarinos favoritos de Madonna e um dos que protagonizou o beijo gay. Gabriel, no entanto, não queria que esta cena aparecesse no programa, já que ninguém sabia da sua orientação sexual.

Ester Gould e Reijer Zwaan fizeram da história destes bailarinos bailarinos expressivos e provocativos, um filme documental. Veja abaixo o trailer:

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.