Rádio Observador

Caso Maddie

PJ garante que não sofreu pressões políticas no caso Maddie

O diretor adjunto da Polícia Judiciária garantiu que a PJ nunca sofreu pressões políticas durante a investigação sobre o desaparecimento de Madeleine McCann. A menina inglesa desapareceu há 10 anos.

Pedro do Carmo, diretor adjunto da Polícia Judiciária, diz que o desaparecimento de Maddie foi um caso "único na história da PJ e na do país"

JOAO RELVAS/LUSA

O diretor adjunto da Polícia Judiciária garantiu que a PJ nunca sofreu pressões políticas durante a investigação sobre o desaparecimento, em 2007, de Madeleine McCann e que as críticas à atuação da polícia não afetaram o trabalho.

“A Polícia Judiciária não sentiu qualquer pressão política das autoridades inglesas e menos ainda das portuguesas para agir desta ou daquela maneira. Essa pressão não existiu de todo”, afirmou Pedro do Carmo, em entrevista à agência Lusa, a propósito dos 10 anos sobre o desaparecimento da criança inglesa Madeleine McCann, no Algarve.

Durante o processo, a PJ seguiu várias linhas de investigação, tendo chegado a constituir arguidos os pais da criança, o que mereceu críticas, nomeadamente dos órgãos de comunicação social ingleses, mas Pedro do Carmo entende que não tiveram “qualquer consequência ou impacto na investigação”.

O responsável explicou que, “para a Polícia Judiciária, é importante, enquanto for possível esclarecer o caso, continuar o seu trabalho”, reconhecendo que o desaparecimento de Maddie foi um caso “único na história da PJ e na do país”,

“Porque se trata de uma criança desaparecida e eventualmente podemos estar perante um crime que ainda não foi esclarecido, temos todo o interesse em saber o que se passou, porque é dessa forma que podemos tirar as lições para situações futuras”, frisou.

Neste caso, avançou, “ainda não chegámos a esse ponto o que faz com que, de facto, seja um caso único e isso justifica o empenho e a persistência da PJ. É isso que nos mobiliza e mantém determinados e imunes a qualquer pressão seja política ou mediática”.

Apesar de a polícia ter consciência de que, à medida que o tempo passa, torna-se mais difícil alcançar respostas ou resultados, continua a investigar o caso, através de uma equipa da diretoria do Porto, com Pedro do Carmo a dizer que “ainda há razões para ter esperança”.

O desaparecimento de Maddie continua a ser investigado pela PJ e pela Metropolitan Police, existindo, nas palavras do diretor adjunto da Polícia, “uma relação próxima, de cooperação, mas com separação entre as equipas e grau de independência”.

O facto de o mistério permanecer volvidos dez anos leva Pedro do Carmo a admitir que este caso é “uma pedra no sapato da PJ” e que ainda é prematuro fazer uma análise sobre como decorreu todo o processo de investigação.

A 03 de maio de 2007, Maddie de três anos, desapareceu do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos (mais novos) num apartamento de férias no Algarve.

No início da investigação a PJ chegou a constituir como arguido Robert Murat, um britânico que vivia nas proximidades do Ocean Club e que havia participado nas buscas e sido intérprete da GNR e da PJ.

Em setembro os pais de Maddie, ambos médicos, são interrogados na PJ de Portimão e constituídos arguidos.

A 21 julho de 2008, o Ministério Público decidiu arquivar o inquérito e retirar o estatuto de arguidos ao casal McCann e a Robert Murat, ressalvando que o caso poderia ser reaberto caso surgissem “novos elementos de prova”.

O inquérito foi reaberto e corre termos na secção de Portimão do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Faro, e, enquanto titular da ação penal, o Ministério Público, dirige e acompanha todas as diligências, disse à Lusa a Procuradoria-Geral da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)