Rádio Observador

Venezuela

Portugal revê-se nas “dúvidas” da UE sobre resultado das eleições na Venezuela

União Europeia diz ter "sérias dúvidas" de que o resultado das eleições "possa ser reconhecido". Portugal revê-se nesta posição e diz que não foi dado "nenhum passo para a resolução da crise".

Augusto Santos Silva é o ministro dos Negócios Estrangeiros

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A União Europeia adiantou, esta segunda-feira, estar com “sérias dúvidas” de que o resultado eleitoral deste domingo na Venezuela, que elegeu a Assembleia Constituinte, possa ser “reconhecido”. “A Comissão Europeia expressa sérias dúvidas se o resultado da eleição poderá ser reconhecido”, afirmou Mina Andreeva, uma porta-voz da Comissão Europeia (CE) numa conferência de imprensa em Bruxelas.

A porta-voz disse ainda estar preocupada com o “destino da democracia” na Venezuela, considerando que a Assembleia Constituinte “não pode ser parte da solução” da crise no país. “Uma Assembleia Constituinte, eleita em condições duvidosas e com frequentes circunstâncias violentas não pode ser parte da solução. (A Assembleia eleita) aumentou a divisão e deslegitimará mais as instituições eleitas democraticamente na Venezuela”.

Mina Andreeva condenou ainda o uso da força “desproporcionado” por parte dos agentes de segurança venezuelanos. “É da responsabilidade do Governo da Venezuela garantir o respeito pelo estado de direito e dos direitos fundamentais, como a liberdade de expressão e o direito de manifestação pacífica”.

O Governo português adiantou, num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, que se revê na declaração da União Europeia, acrescentando que a situação na Venezuela só poderá ser debelada mediante um “compromisso inclusivo” que envolva o “regresso à normalidade constitucional” e eleições acordadas entre as partes.

“O Governo reitera que a gravidade da crise económica e social que atinge o povo venezuelano só poderá ser debelada mediante um compromisso político inclusivo que envolva o regresso à normalidade constitucional e no quadro de um calendário eleitoral mutuamente acordado entre as partes, bem como no pleno respeito pelos direitos humanos, pela separação de poderes, pelo livre exercício dos direitos civis e políticos e, em geral, pelos princípios do estado de direito”, refere o Ministério dos Negócios Estrangeiros em comunicado.

O documento refere ainda que a “preocupação principal das autoridades portuguesas” prende-se com as “garantias de segurança e de bem-estar” dos portugueses e luso-descendentes na Venezuela. ” Temos instado as autoridades venezuelanas a assumir todas as suas responsabilidades na prestação dessas garantias e temos feito tudo ao nosso alcance para, em colaboração com essas autoridades, apoiar os nossos concidadãos”.

O Governo português, lê-se ainda no comunicado, “lamenta profundamente a evolução dos acontecimentos na Venezuela”, acrescentando que “a recusa expressa por parte de importantes setores políticos e sociais pela via seguida e a violência que rodeou o ato eleitoral, fazem com que não se tenha dado ontem nenhum passo para a resolução da crise política naquele país”.

Portugal junta-se assim a outros países, como os EUA, Colômbia, Peru, Argentina, Espanha, Brasil e México, que contestam os resultados das eleições de ontem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)