Fogo de Pedrógão Grande

António Costa responsabiliza PT pelo “colapso” do SIRESP

2.005

O primeiro-ministro diz, ao Expresso, que "o colapso do SIRESP resultou do colapso da rede da PT" e admite que o sistema de comunicações de urgência passe a funcionar com outra operadora.

Em 2005, quando era ministro da Administração Interna, António Costa assinou o contrato com o SIRESP

MÁRIO CRUZ/LUSA

O primeiro-ministro diz que que “o colapso do SIRESP resultou do colapso da rede da PT” quando se referia à falha daquele sistema de comunicação durante o incêndio que matou pelo menos 64 pessoas em Pedrógão Grande. As novas acusações de António Costa à operadora controlada pela Altice foram feitas ao semanário Expresso.

“O que falhou foi que grande parte daquela rede [SIRESP] assenta na rede fixa da PT. A rede fixa da PT assenta em cabos aéreos que obviamente, numa zona florestal que está a arder, ardem. E portanto colapsam as comunicações”, disse o primeiro-ministro. Em 2005, como ministro da Administração Interna, António Costa assinou o contrato com o SIRESP.

António Costa disse que é “inadmissível que as redes de comunicações junto a estradas nacionais que já têm calhas técnicas que não estejam enterradas e continuem com os cabos aéreos”. O enterramento das infraestruturas nestes locais, o que exige um investimento muito avultado, poderá ser a solução.

Sobre a continuidade do SIRESP, o primeiro-ministro abriu a hipótese de o sistema de comunicação de urgências passar a funcionar com outra rede. Se o serviço fornecido não melhorar, António Costa diz que “o SIRESP terá de arranjar outra operadora que não a PT para suportar as suas comunicações, porque a verdade é que houve umas [operadoras] que mantiveram o funcionamento e outras que colapsaram”.

De resto, o primeiro-ministro deixou claro que, a haver um corte, este será sempre com a PT e não com o SIRESP. Sobre “rasgar o contrato” ou até nacionalizar o SIRESP, responde que “qualquer uma dessas medidas não resolveria o problema”. O Expresso acrescenta que António Costa abordou as falhas no sistema de comunicações de emergência com o dono da Altice, quando Patrick Drahi foi a S. Bento apresentar a proposta de compra da Media Capital em julho.

Ainda sobre o SIRESP, António Costa adiantou que a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, “está precisamente neste momento a trabalhar com o SIRESP para que seja dotado das redundâncias necessárias para que este sistema não falhe”.

António Costa partilha ainda um episódio caricato durante os dias do incêndio de Pedrógão Grande. Depois de ter passado dois dias sem conseguir falar com o presidente da Câmara de Castanheira de Pera, que o primeiro-ministro diz estar então “completamente incontactável”, António Costa deu-lhe um telemóvel de uma outra rede em pleno teatro de operações. “Mais de 24 horas depois, aquela rede continuava a não funcionar. Se acha isto normal, eu não acho normal”, disse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)