Nota: este artigo foi publicado antes de ser confirmado que a árvore que caiu era um carvalho e não um plátano, como começou por ser noticiado.

O plátano que caiu no Funchal teria 200 anos, mas a longevidade destas árvores pode chegar aos dois milénios. Tem um crescimento rápido e pode atingir 40 metros de altura e 3 metros de diâmetro. Apesar de ser uma árvore característica de muitas praças e jardins portuguesas, nem sempre é a mais adequada para os centros urbanos: não só por causa das dimensões que atinge, como por exigir podas anuais e as suas raízes romperem o asfalto, as calçadas e as próprias canalizações e esgotos.

Os plátanos que existem em Portugal continental e nas ilhas são um híbrido entre os plátanos americanos e os europeus. São árvores de folhas caducas, troncos característicos com manchas cinzentas e esverdeadas, e dão um fruto verde, uma espécie de bolas com picos (em conjuntos de dois) entre abril e maio que depois secam e espalham um pó castanho no verão, que podem causar uma série de problemas respiratórios e de alergias, principalmente em pessoas asmáticas.

As suas folhas quando caem podem levar até um ano para se decomporem completamente.

Esta espécie de árvores é muito resistente, ao vento, poluição, calor e tipo de solos. Por isso é uma das árvores mais usadas em todo o mundo na arborização urbana.

E não, as folhas dos plátanos não estão na bandeira do Canadá. Essa folha é a do Bordo-vermelho (ou Acer).