Rádio Observador

Vodafone Paredes de Coura

No primeiro dia do Paredes de Coura, cantaram-se os parabéns

Os Mão Morta deram um dos melhores concertos da noite (e cantaram os parabéns) e os Future Islands criaram uma pista de dança a céu aberto. Kate Tempest não perdoou.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A meio da tarde já havia quem se queixasse que não havia onde pôr uma tenda. Não foi por isso de estranhar que, à meia-noite e meia, hora a que os Future Islands subiram ao palco principal do Vodafone Paredes de Coura, o anfiteatro natural da Praia do Taboão estivesse a rebentar pelas costuras. Era uma visão bonita — para quem estava do lado de cá, mas também para quem estava do lado de lá. Samuel T. Herring reparou nisso assim que pôs a vista em cima do público. De sorriso rasgado, desafiou quem por ali estava, de pé ou sentado na relva: “Let’s fuck around!”. Ninguém se fez de rogado.

Apesar de terem permanecido desconhecidos até há bem pouco tempo, os Future Islands já não são novatos nisto. A banda norte-americana — composta por Herring, Gerrit Welmers e William Cashion — juntou-se pela primeira vez há mais de uma década. Só que o primeiro álbum só chegou em 2008 e o reconhecimento vários anos mais tarde, em 2014 (com Singles e com a famosa passagem pelo programa de David Letterman). Este ano, o trio lançou The Far Field, o disco que colocou os Future Islands no seu devido lugar e que serviu de desculpa para a viagem até Paredes de Coura.

Apesar de recheado de boas músicas, a estrela de The Far Field é Herring. E foi também ele o grande protagonista do concerto desta quarta-feira. Sim, a música dos Future Islands é bem feita, mas em palco é difícil tirar os olhos de Herring, sempre sorridente, enérgico. Durante a hora que durou o concerto, o vocalista não parou um segundo. O público seguiu-lhe os passos: dançou, pulou, cantou sem parar, transformando o recinto numa pista de dança ao ar livre. Herring agradeceu em português, de mão no peito. E o público também.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O velho e o novo no aniversário do festival “memorável”

Num dia em que apenas um dos palcos esteve a funcionar (o palco secundário, o Vodafone FM, só estará a todo o gás a partir de quinta-feira), as honras da casa couberam à Escola do Rock, um grupo de jovens músicos de Paredes de Coura que já se tornou uma presença habitual no festival. A eles seguiram-se os The Wedding Present e um concerto que foi uma verdadeira viagem ao passado. A banda (que já pouco tem da formação original) apresentou o já velhinho George Best, lançado nos anos 80, e serviu de aquecimento a outro bom rock que estava para vir — o dos portugueses Mão Morta.

A história dos Mão Morta cruza-se inevitavelmente com a de Paredes de Coura. Além de ter sido a banda que mais vezes tocou no festival, a criação deste, em 1992, coincidiu com o lançamento de um dos álbuns mais icónicos dos bracarenses: o Mutantes S.21. Por essa razão, à edição de 2017 não podiam faltar nem os Mão Morta nem os seus mutantes.

A ideia era apresentar o álbum na íntegra, mas o concerto acabou por ter direito a alguns “desvios”, como lhes chamou Adolfo Luxúria Canibal. O primeiro foi “Até Cair” (do álbum homónimo de 1988), tema que fez o vocalista bambolear-se a valer pelo palco — como um morto-vivo. Aos ritmos rápidos de “Até Cair”, seguiu-se a atmosfera (ainda) mais negra e pesada de “Paris”. “Aqui degolei a minha amada, banhei-me no seu sangue quente e jurei amor eterno”, cantou Luxúria, com aquela voz de dar arrepios na espinha.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Do amor cego e sem fim, viajou-se até às noites quentes de “Istambul”, um aperitivo para a não menos inflamada “Velocidade Escaldante”, outro dos “desvios” da noite. “Muitos de vocês não são deste tempo. Esta música tem 25 anos”, lembrou Luxúria. “Há 25 anos o mundo era outro e há 25 anos nascia o festival de música de Paredes de Coura.” E porque “25 anos é uma data memorável” para um festival deste género em Portugal — “basta dizer que é o festival mais antigo com edições regulares” — Adolfo Luxúria Canibal pediu que todos cantassem os parabéns. No fim agradeceu a Paredes de Coura, “a vós”, com um dos temas mais famosos da banda — “Budapeste”.

Antes do final, houve ainda tempo para um hino trágico a Berlim e uma canção dedicada à capital: “Lisboa (por entre as sombras e o lixo)”, a última da noite retirada de Mutantes. Sempre com um elogio na ponta da língua ao festival “memorável”, Luxúria Canibal e os Mão Morta despediram-se com “Bófia”. Porque “os nossos primórdios eram assim” e porque, passados 25 anos desse Mutantes S.21, os Mão Morta pouco ou nada mudaram. Afinal há coisas que permanecem na mesma — e ainda bem.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Num dia em que o rock era rei, o cartaz trazia dois nomes arriscados — Beak> e Kate Tempest. Se a banda de Geoff Barrow, o famoso multi-instrumentista dos Portishead, acabou por se revelar uma quebra vertiginosa depois de Mão Morta, a britânica foi por ser uma agradável surpresa (ou confirmação, dependendo da situação) para aqueles que escolheram não arredar pé de um recinto já a meio gás. De língua afiada, Tempest usou o tempo que lhe foi concedido para partilhar com o público as suas melhores rimas, a sua poesia mais dura e as suas críticas mais mordazes. Foi aliás por isso que a autora de Let Them Eat Chaos — o disco que levou esta quarta-feira ao Paredes de Coura — ficou conhecida: por não ter papas na língua. E tanto faz se o tema são as selfies ou Donald Trump: da boca de Kate Tempest não saem meias verdades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)