O nível das águas vai continuar a subir e o número de mortos já chegou às três dezenas na cidade de Houston, no Estado norte-americano do Texas, que continua a ser fustigada pelos efeitos do furacão Harvey e que já levou o presidente da Câmara a impor o recolher obrigatório durante a noite para evitar violência e pilhagens. A chuva forte vai continuar em Houston e a tempestade vai seguir para o Estado vizinho do Louisiana.

As condições meteorológicas não vão melhorar tão cedo e o nível das águas vai continuar a subir, numa catástrofe que já está a oferecer comparações com o Katrina, que provocou a morte a mais de 1800 pessoas em 2005, mas ainda muito longe da destruição causada pelo mais mortífero dos furacões que assolaram território norte-americano.

Ainda assim, segundo as autoridades, este é o maior furacão a atingir o Estado do Texas nos últimos cinquenta anos. Mais de 13 mil pessoas já terão sido resgatadas pelas autoridades e reencaminhadas para os abrigos criados por toda a cidade.

O nível das águas, que já terá atingido os 1,30 metros, vai continuar a subir e durante esta quinta-feira espera-se ainda mais chuva apesar de o Harvey ter perdido força ser considerado agora uma tempestade tropical.

Por exemplo, no condado de Harris, onde vivem 4,6 milhões de pessoas, quase um terço do território está submerso, o equivalente a 15 vezes a área de Manhattan. As autoridades, que ainda tentam resgatar pessoas e levá-las para os abrigos, estão preocupadas com a estabilidade de estradas e pontes que podem estar comprometidas devido à força da tempestade e à pressão da água.

Em Crosby, o sistema de refrigeração e os geradores de recurso para os casos de falha de energia de uma fábrica de fertilizante foram inundados, tornando possível a explosão e alastramento dos químicos contidos nessa fábrica.

A devastação e a ordem de evacuação obrigatória levou milhões de pessoas a abandonar as suas casas, mas também gerou roubos e pilhagens dos bens que foram deixados para trás por quem fugiu à tempestade.

Por essa razão, o presidente da Câmara de Houston, Sylvester Turner, decidiu impor o recolher obrigatório em toda a cidade de Houston – a quarta maior dos Estados Unidos – entre as 00h00 e as 05h00 (06h00 e as 11h00 em Lisboa). Só quem está a ajudar na resposta aos efeitos do furacão e quem se dirige ao seu emprego poderá estar nas ruas neste período.

Entre os crimes que as autoridades já deram conta, estão pilhagens, assaltos à mão armada e pessoas que se fazem passar por agentes da polícia.