Igualdade de Género

Porto Editora vai “trabalhar em conjunto” com Comissão para a Igualdade de Género

Houve uma reunião entre a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e a Porto Editora, da qual saiu um compromisso para que as duas entidades "trabalhem em conjunto" na criação de conteúdos.

NUNO VEIGA/LUSA

A Porto Editora e a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) vão “trabalhar em conjunto na produção de materiais dirigidos a crianças”, informaram as duas entidades num comunicado conjunto divulgado esta segunda-feira. Os “materiais” a produzir, “em estreita colaboração” vão conter “abordagens promotoras da cidadania e igualdade de género”, adiantam.

O comunicado é o resultado de uma reunião entre a Presidente da CIG, Teresa Fragoso, e o Administrador da Porto Editora, Vasco Teixeira. As duas entidades vão trabalhar “em estreita colaboração” para criar “conteúdos que fomentem uma educação promotora de igualdade de oportunidades e do desenvolvimento das diferentes capacidades e talentos de todas as crianças, contribuindo assim para a construção de uma sociedade em que mulheres e homens exercem uma cidadania plena”.

O compromisso surge na sequência da polémica que levou à “recomendação” do organismo público de retirada de mercado de livros educacionais que tinham exercícios diferentes nas edições para menino e para menina.

A Comissão concluiu, na análise aos livros retirados do mercado, que há pelo menos seis exercícios mais difíceis no bloco de atividades para rapazes e apenas três com resolução mais difícil no livro das meninas, o que poderá constituir um caso de “diferenciação por sexo do grau de dificuldade das atividades” e reforçar “a ideia de que há desigualdade nas capacidades cognitivas de meninos e meninas”. Por isso, a CIG recomendou “que se adote apenas um bloco de atividades para crianças dos 4-6 anos para que todas possam praticar todos os exercícios de igual forma”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Feminismo

Princesas da superficialidade /premium

Alexandre Homem Cristo
682

Uma campanha que, com base em evidências, pode levar a ganhos de saúde das mulheres e, sobretudo, das jovens mulheres, não pode ser qualificada de misógina. Pelo contrário, deve ser aplaudida.

Futuro

As novas tecnologias e o futuro do ser humano

Maria de Sousa Pereira Coutinho

A “utopia trans-humanista” reside em se considerar o progresso como uma transformação da nossa concepção de vida e da própria “condição humana”, a fim de se obter um outro ser humano, um “homem novo".

Mundial 2018

O orgulho da Nação /premium

Paulo de Almeida Sande

Eu, português, da Nação dos lusitanos, “Estou Aqui”, sou da têmpera dos antigos Descobridores, sou do tamanho do Cristiano, o melhor do Mundo. Tenho direito a ser feliz. Façam lá o favor de ganhar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)