O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, declarou esta quarta-feira no Parlamento que o Governo “não se deve envolver diretamente” no conflito laboral existente na fábrica da Autoeuropa, mas assegurou acompanhamento das negociações na empresa em Palmela.

O Governo tem estado atento ao processo, mas não se deve envolver diretamente nem trazer para a praça pública as questões internas da empresa”, afirmou o governante, que estava a ser ouvido pela comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, na Assembleia da República.

Manuel Caldeira Cabral recordou que já se reuniu tanto com a direção da fábrica de Palmela como com o presidente executivo da Volkswagen em Milão, Itália. “O que demonstrei foi confiança em que se encontre uma solução com a comissão de trabalhadores, que satisfaça ambas as partes”, referiu.

O governante assinalou que esta é uma “empresa muito importante” para Portugal, uma vez que está “a fazer grandes investimentos” no país, que passam, desde logo, pela “duplicação da produção”.

Os trabalhadores da Autoeuropa contestam a obrigatoriedade de trabalhar ao sábado após a implementação do novo horário de laboração contínua, com três turnos diários de segunda a sábado.

Com o novo horário que a administração da Autoeuropa pretende colocar em prática a partir de novembro, os trabalhadores da fábrica passam a ter uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa nos outros dias da semana, o que significa que só terão dois dias de folga consecutivos quando a folga rotativa for ao sábado ou à segunda-feira.

Uma vez que a atual Comissão de Trabalhadores está demissionária, devido à rejeição pelos trabalhadores do pré-acordo que tinha negociado com a empresa, a administração da Autoeuropa deverá esperar pela eleição da nova Comissão de Trabalhadores, marcada para dia 3 de outubro.

Segundo fontes da empresa, só nessa altura a administração deverá retomar o processo negocial.

Volkswagen afasta cenário de tirar T-Roc da Autoeuropa e defende acordo até outubro

O presidente-executivo da marca Volkswagen disse esperar uma solução em outubro para o conflito laboral da Autoeuropa e afastou a hipótese de transferir a produção do novo modelo T-Roc de Palmela.