O governo norte-americano anunciou o início da construção de oito protótipos do futuro muro entre Estados Unidos e México, uma das maiores promessas da campanha presidencial de Donald Trump. O departamento de Alfândega e Proteção de Fronteiras revelou que quatro dos testes vão ser feitos de cimento, enquanto outros materiais serão utilizados na outra metade.

A ideia é testar várias secções do muro perto de San Diego, na Califórnia. Durante a campanha presidencial, Trump prometeu construir um “grande e bonito muro” entre os dois países e, na altura, disse que obrigaria o México a pagar por ele. A verdade é que estes oito protótipos vão ser financiados por fundos federais — cada um vai custar mais de 450 mil dólares, perto de 383 mil euros. Quanto ao muro em si, ainda não há acordo sobre a tranche inicial que Trump pediu ao Congresso; tranche essa que ronda os 1,5 mil milhões de dólares, mais de 1,3 mil milhões de euros.

Os protótipos vão ter nove metros de altura e nove metros de largura e é expectável que estejam concluídos dentro de 30 dias. Depois, os especialistas têm um período de três meses para analisar as propostas, tendo em conta eficácia e resistência à penetração de pequenas ferramentas de mão.

O muro final vai ter câmaras e sensores de movimento e Donald Trump já anunciou que algumas partes vão ser transparentes, para que “as pessoas do lado dos Estados Unidos não sejam atingidas por pacotes de droga que são atirados do lado mexicano”. O presidente norte-americano também sugeriu que algumas zonas do muro sejam cobertas por painéis solares.

Foram escolhidas quatro empresas para construir os vários protótipos mas o mais provável é que a versão final seja uma amálgama dos diferentes designs. O procurador-geral do estado da Califórnia está a tentar bloquear a construção do muro e já entregou uma queixa-crime no tribunal de San Diego, em que alega que o governo ultrapassou a sua autoridade e ignorou leis ambientais.