Rádio Observador

Agricultura

Produtores de castanha de Bragança falam em calamidade e pedem ajuda ao Governo

Associação de Produtores de Castanha Transbaceiro, no concelho de Bragança, vai pedir a ajuda do Governo para o que descreveu como "a calamidade" que se abateu sobre a produção devido à seca.

Concelho de Bragança é dos maiores produtores nacionais de castanha

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação de Produtores de Castanha Transbaceiro, no concelho de Bragança, anunciou nesta segunda-feira que vai pedir a ajuda do Governo para o que descreveu como “a calamidade” que se abateu sobre a produção devido à seca extrema. O concelho de Bragança é dos maiores produtores nacionais de castanha e a associação representa quatro aldeias, onde 160 agregados familiares contavam com o rendimento de mil toneladas deste fruto seco, que num ano normal rondaria 1,5 milhões de euros.

“Esta campanha será uma calamidade para os produtores de castanha e uma tragédia para a economia da região “, afirmou hoje, numa conferência de imprensa, Carlos Fernandes, presidente da associação de produtores, que vai pedir uma reunião urgente ao Ministério da Agricultura e medidas ao Governo para minimizar a situação.

Entre as medidas, a associação quer que o Governo pondere declarar situação de calamidade pública na produção do distrito de Bragança, criar uma linha de crédito para os produtores, isenção do pagamento de contribuições à Segurança Social e antecipação de subsídios.

A situação de seca extrema é a causa do problema, que não tem a ver com a falta de castanha, mas de condições para se desenvolver. “A castanha não tem calibre, não se conserva”, afirmou Calos Fernandes, acrescentando que, se não chover na próxima semana, nem a castanha mais tardia, a Longal, irá salvar-se.

O maior problema é na conservação, como observou o presidente da junta de freguesia do Parâmio, Nuno Diz, “porque a castanha cai, já não tem humidade e, se não for logo apanhada, fica pilada (seca) e é impossível comê-la”. A comercialização é outra preocupação dos produtores como Humberto Vaz que disse ter aparecido, na zona, um comerciante que dava 80 cêntimos por quilo, quando, num ano normal, a castanha nunca é paga a menos de um euro e meio. Segundo este produtor, não há intermediários à procura da castanha como nos anos anteriores e mesmo aquela que tem alguma qualidade, não a conseguem escoar.

Para evitar as consequências maiores da seca, Humberto apanha todos os dias a castanha que vai caindo e tem mil quilos para vender, à espera de comprador. Maria Pilar Afonso, outra produtora, disse que o que lhe querem pagar não dá para as jeiras (salário diário) das cinco pessoas que trabalham diariamente para ela.

“Queremos que, perante esta situação real de calamidade para os produtores, o Governo encontre medidas dentro das possibilidades orçamentais do Estado para atenuar os efeitos negativos desta situação perante os produtores”, reiterou o presidente da associação. Carlos Fernandes pediu também aos intervenientes no circuito da comercialização da castanha “ética, respeito e honradez”, que “respeitem os produtores e que não se aproveitem para pagar a preços baixos a boa castanha que ainda vai parecendo”.

Se não chover, o presidente da associação arriscou dizer que “é a perda total da produção da castanha”, com o risco acrescido de no próximo ano muitos dos castanheiros nem sequer rebentarem na floração.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)