Esta segunda-feira a Huawei fez, em Berlim, o anúncio dos esperados topo de gama da marca. A empresa, que é a segunda maior fabricante de smartphones do mundo (só a Samsung a supera), divulgou os novos Huawei Mate 10 e Mate 10 Pro. Os telemóveis vêm equipados com o Kirin 970, os primeiros processadores de inteligência artificial da marca.

Sobre a aposta em inteligência artificial (IA), Richard Yu, presidente-executivo da Huawei, afirmou: “Cumprindo a promessa de IA, a nova série Huawei Mate 10 traz o futuro à vida presente, projetada para enriquecer a experiência dos utilizadores”.

Os Mate 10 têm sensor de impressão digital e câmara dupla com lente Leica na traseira. São resistentes à água e poeiras e vão estar disponíveis em quatro cores (cinzento titânio, azul meia-noite, castanho-mocha e cor-de-rosa dourado). A bateria de quatro mil mAh (das maiores disponíveis no mercado) promete horas e horas de uso sem precisar de o ligar à corrente. Se por acaso ficar sem bateria, em 30 minutos carrega, graças ao carregamento rápido com o Huawei Super Charge.

Mesmo com todas as características que fazem dos Mate 10 dos telefones mais competitivos a chegar às lojas, é com a inteligência artificial que a Huwaei quer cativar os consumidores. O Kirin 970 consegue, segundo a empresa, identificar vários objetos, podendo corrigir automaticamente a qualidade de imagens e fotografias, oferecendo um desempenho 20% superior de processamento em relação à concorrência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto ao sistema operativo, a Huawei continua a apostar na sua versão do Android, lançando estes modelos com o EMUI 8.0 (desenvolvido a partir do Android Oreo). Experiência num ecrã externo como se de um computador se tratasse e aplicações em simultâneo são algumas das características do sistema anunciadas pela empresa.

Em Portugal só estará disponível o Mate 10 Pro, em cinzento titânio e castanho mocha. O smartphone chega a 23 de novembro, com um preço recomendado de 880 euros.