Zé Pedro, dos Xutos&Pontapés, não se esquece da primeira vez que, com 11 anos, viajou sozinho para a Guiné para ir ter com o pai (oficial do Exército) e a mãe. Ficou “aterrorizado” quando se viu sozinho no aeroporto militar, o que melhorou quando encontrou outro miúdo da idade dele. Chegados ao Sal foram obrigados a sair do aeroporto e foi um militar que os encontrou, de mãos dadas, numa estrada de terra batida “quase a desfalecer de cansaço, fome e sede”. Deu-lhes guarida, comida e, como a água escasseava, vinho. Depois disso dormiram e seguiram para Bissau. “A minha primeira vez de avião foi também a minha primeira piela e a minha primeira ressaca”, escreve o músico.

O texto do músico Zé Pedro lança o mês de setembro de 2018 da nova agenda do Instituto Português de Oncologia de Lisboa. Os restantes 11 meses são antecedidos de 12 textos “inéditos”, de 12 personalidades que partilham “uma história importante sobre uma ‘primeira vez’ que fez a diferença no seu percurso de vida e na entrega aos outros”.

O ex-ministro e administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, Guilherme d’Oliveira Martins, fala da descoberta do mundo “pela arte da leitura”; a atriz Rita Blanco conta a primeira experiência “com a morte, com a perda e com o amor”; o Frei Fernando Ventura fala da “primeira vez de ser” de que não guarda memória; Fátima Lopes conta como foi a sua primeira experiência em televisão; o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho fala da primeira vez que abraçou um cão, a cientista Maria Manuel Mota relata a sua primeira descoberta; o guarda-redes Rui Patrício escolheu falar da primeira vez na baliza do Sporting; a escritora Patrícia Reis explica como associa músicas a cada momento e como recorda primeiras vezes com músicas; a jornalista Clara Ferreira Alves escreve sobre a primeira vez que se lembra bem de ter ido ao dentista; o humorista Bruno Nogueira recorda o nascimento da filha, associado à primeira vez que sentiu medo e a poetisa Maria Teresa Horta escreve um poema sobre a primeira vez.

Depois do sucesso da primeira agenda 2016/2017, o Instituto Português de Oncologia de Lisboa vai lançar, esta terça-feira, pelas 11h00, no anfiteatro do IPO, a Agenda Solidária 2018 e, desta vez, os fundos vão servir para a construção de uma nova e ampliada Unidade de Transplante de Medula. As ilustrações e a conceção da capa são assinadas pela ilustradora Carla Nazareth.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A construção da nova unidade de transplantação de medula deverá permitir a realização de 147 transplantes no primeiro ano e 156 transplantes a partir do segundo ano, após o período de adaptação da equipa de saúde à nova estrutura de internamento.

A Agenda será lançada no mesmo dia do lançamento do livro “Transplante de medula no IPO Lisboa. 30 anos, 30 histórias” e contará com uma mensagem gravada do Presidente da República. A agenda com um custo de 13,90 euros pode ser adquirida durante o evento, com um desconto de 10%, ou no site da editora Livros do Horizonte (parceira do IPO neste projeto) ou nas livrarias a partir do dia 18.

Agenda de 2017 permitiu angariar 50.295 euros para a Pediatria

A Agenda Solidária de 2017, com uma tiragem de 18 mil exemplares, permitiu arrecadar 50.295,16 euros, que serão investidos no serviço de Pediatria daquele hospital, ultrapassando “os objetivos previstos”, de acordo com o IPO.

Na edição anterior, outras 12 figuras contaram as memórias mais marcantes das suas vidas: Marcelo Rebelo de Sousa, Catarina Furtado, Nuno Markl, Afonso Cruz, Clara de Sousa, Margarida Pinto Correia, Boss AC, Victoria Guerra, Marisa Matias, Sobrinho Simões, Elvira Fortunato e Sandra Correia.

IPO de Lisboa lança agenda para 2017 e receitas das vendas revertem para a pediatria