Rádio Observador

Comissão Europeia

Juncker: “Os independentistas não devem subestimar o apoio a Rajoy na Europa”

Em entrevista ao El País, o presidente da Comissão Europeia é claro na sua posição: avançar com o processo independentista foi um "erro" que teve um preço demasiado caro para os espanhóis.

OLIVIER HOSLET/EPA

O presidente da Comissão Europeia deixa um aviso a Puigdemont e aos independentistas catalães: “Não devem ignorar o apoio a Rajoy na Europa.” Jean-Claude Juncker dá uma entrevista ao jornal espanhol El País para dizer que quem defende a independência está isolado e que o processo inaugurado com o referendo que deu o sim à independência da Catalunha foi “um erro”, “um desastre” que “nunca devia ter acontecido”.

Para Juncker, a mais pesada das faturas está a ser paga pelos próprios espanhóis. O processo independentista “rarefez a atmosfera política, gerou uma fratura interna na sociedade espanhola e na catalã” ao criar “problemas dentro das famílias, entre os amigos”. E isso “é triste”, “nunca devia ter acontecido”, diz o líder do executivo comunitário.

Também ele pesado nas palavras, ainda com os processos (e, sobretudo, os resultados) eleitorais mais recentes em países como a Áustria, Holanda ou Alemanha, em que a extrema-direita pulou várias posições no ranking parlamentar, Juncker diz que “o nacionalismo é veneno”. Diz-se “a favor da Europa das regiões” — um ponto de aproximação entre os discursos de nacionalistas e independentistas –, mas lembra que o “respeito pela identidade” e pela “diferença” não se traduz numa Europa espartilhada em múltiplas regiões.

Esse apoio à identidade, concretiza, “não supõe que vamos seguir essas regiões em todas as suas aventuras, que por vezes são um tremendo erro, ainda mais se se declara uma independência unilateral tendo por base um referendo sem garantias”, diz ao El País. Até porque, sustenta, o processo independentista surge fora de tempo: “O que exige o momento não é divisão, mas que se coloque toda a ambição, talento, energia dos europeus em comum” e, nesta perspetiva, “o que a Catalunha fez é exatamente o oposto”.

Com Puigdemont, nunca contactou pessoalmente. Rajoy, por outro lado, é “um bom amigo”. E, como presidente da Comissão, Juncker mostra “apoio à postura do Governo espanhol”, que cumpriu a lei ao invocar o artigo 155 da Constituição do país para retirar ao executivo da região autónoma a sua margem de manobra. “Estou com quem respeitou a Constituição, não posso apoiar quem a viola”.

A mensagem para Puigdemont é clara. “Se alguma vez pensou que o apoiaríamos, que se desengane: não vamos fazê-lo.” E garante “nem um único” país da União estará ao lado do processo desencadeado pelo até há poucas semanas líder da Generalitat.

No próximo mês, os catalães regressam às urnas. Juncker começa por dizer que não quer pronunciar-se sobre um processo eleitoral interno com respostas que poderiam apenas ser construções hipotéticas de cenários futuros. Mas lá adianta que “o 21 de dezembro é o dia a partir do qual tudo poderia, deveria, melhorar”, outro ponto em que está em linha com o pensamento de Mariano Rajoy. “Esse será o momento de restabelecer a normalidade: o poder é a capacidade de redefinir uma situação complexa; a política, a arte de regressar tão cedo quanto possível à normalidade”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)