Migrantes

Número de migrantes que entram na Europa via Líbia desce no terceiro trimestre

No terceiro trimestre do ano registou-se uma descida no número de migrantes que chegam à Europa vindos da Líbia. A travessia feita a partir da costa marroquina foi a que registou menos pessoas.

STRINGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O número de migrantes que chegam à Europa via Líbia registou uma descida acentuada no terceiro trimestre do ano, revela um relatório do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, divulgado esta quinta-feira.

Entre julho e setembro, o número de pessoas que atravessaram o mar Mediterrâneo a partir da Líbia, com destino a Itália, caiu de 11.500 para 6.300, para um total de 21.700 no trimestre.

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados assinalou que, em julho, “a Comissão Europeia anunciou um plano de ação para reduzir o número de travessias ilegais até à Itália, enquanto as autoridades italianas realizaram uma série de encontros com a Líbia com o mesmo objetivo”.

As organizações não-governamentais, entre as quais os Médicos Sem Fronteiras, criticaram com veemência a política europeia na gestão de migrantes provenientes daquele país do norte de África, estimando que a União Europeia se guia pela “única ambição de manter essas pessoas fora da Europa”.

Em meados de novembro, o Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, qualificou de “desumana” a “política da União Europeia de auxílio à guarda costeira líbia, para intercetar os migrantes e fazer com que retornem” a África.

No que se refere a migrações que atravessam o Mediterrâneo oriental, via Turquia, o relatório do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados sublinhou o aumento do número de pessoas que conseguiram a travessia no terceiro trimestre, com 3.330 pessoas em julho, 4.500 em agosto e 6.600 em setembro.

Neste último mês, um total de 4.900 pessoas chegou à Grécia, “um número que é o mais elevado num mês, depois de março de 2016 e do acordo entre a União Europeia e a Turquia e o encerramento da apelidada rota dos Balcãs”.

A travessia de África para Espanha, a partir da costa marroquina, foi a rota que registou menos pessoas a chegarem à Europa de julho a setembro, com 7.800 casos.

Não obstante a redução do número de travessias no Mediterrâneo central, milhares de pessoas continuam a tentar uma viagem perigosa e desesperada até à Europa”, afirmou Pascale Moreau, diretora do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados na Europa.

Em 20 de novembro, “estimou-se em perto de três mil pessoas os mortos ou desaparecidos no mar Mediterrâneo, aos quais se juntam 57 outros mortos nas estradas da Europa ou nas fronteiras europeias”, lembrou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)