Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Salvador Sobral já recebeu um transplante de coração. A cirurgia aconteceu esta sexta-feira no Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, depois de ter sido encontrado um coração compatível. A equipa de médicos responsável pela cirurgia informou ao final da tarde deste sábado que o músico “está bem”, com boa evolução e “muito animado”.

Em conferência de imprensa, Miguel Abecasis, chefe de serviço do cirurgia cardiotorácica confirmou que a intervenção correu de forma favorável e que o cantor que venceu a Eurovisão “está bem” mas avisou que a recuperação “vai ser longa”. A conferência de imprensa sobre o estado de saúde do cantor terminou com o chefe de serviço a desejar: “vamos esperar que ele [Salvador Sobral] recupere a vida normal”.

A operação durou cerca de quatro horas e foi realizada na tarde desta sexta-feira, numa unidade que faz entre 40 a 50 transplantes deste género por ano. Salvador Sobral, ao saber que ia receber o transplante, desejou boa sorte ao médico e pediu para ouvir música clássica, revelou, também, na conferência de imprensa, Miguel Abecassis. Na conferência de imprensa estiveram ainda presentes José Pedro Neves, diretor de serviço de cirurgia cardiotorácica do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental e o diretor clínico do CHLO, José Manuel Correia.

José Manuel Correia aproveitou a conferência de imprensa para agradecer ao serviço nacional de saúde (SNS): “foi a estrutura de palco que fez concretizar esta intervenção”. O cantor esteve vários meses a ser seguido por cardiologistas no Hospital de Santa Cruz até chegar a sua vez na lista de espera para receber um novo coração.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O artista de 27 anos é um dos 400 mil portugueses que sofrem de insuficiência cardíaca e esteve até agora a aguardar um coração compatível para que pudesse ser submetido a um transplante. “É um caso raríssimo o de Salvador”, disseram ao Observador diversos especialistas em setembro deste ano. A insuficiência cardíaca é uma síndrome grave, mas poucos são os pacientes tão jovens como Salvador Sobral — menos ainda os que necessitam de um transplante para sobreviver.

A síndrome grave que afeta 400 mil portugueses – mas muito, muito poucos da forma como afeta Salvador Sobral

Salvador Sobral, que ganhou o Festival Eurovisão da Canção em maio deste ano, deu um último concerto no início de setembro antes de se afastar temporariamente dos palcos — no final de agosto havia cancelado dois concertos por indicação médica. À data, o artista não escondeu as lágrimas e cantou de “nó na garganta” principalmente nos duetos com a irmã, Luísa Sobral.