Rádio Observador

Primeira Liga NOS

Jesus admite que “o Benfica fez por empatar”; Rui Vitória diz que vai estar “atento à carreira dos dois árbitros”

307

"Este resultado não é bom para o Sporting, mas é pior para o Benfica", considerou o treinador do Sporting, Jorge Jesus. Já o treinador do Benfica disse que o resultado foi "tremendamente injusto".

“O Benfica fez por empatar este jogo”, admitiu Jorge Jesus. O treinador do Sporting, em declarações na flash interview após o jogo, descreveu a partida como intensa, destacando o ataque posicional do Benfica e a organização defensiva do Sporting. “Este resultado não é bom para o Sporting mas é pior para o Benfica“, acrescentou. Rui Vitória, homólogo dos encarnados, não concordou e disse tratar-se de um erro “dizer uma coisa dessas”: “Nunca sabemos que resultado é melhor ou não, só depois é que poderemos ver isso”.

O treinador do Benfica considerou o resultado “tremendamente injusto” e deixou uma espécie de aviso a breve/médio prazo. “Vou estar atento à carreira destes dois árbitros”, referindo-se aos critérios adotados pelo video-árbitro, Tiago Martins, e pelo árbitro de campo, Hugo Miguel. O técnico elogiou a exibição das águias, “sempre à procura do golo”. “Não merecíamos. Fizemos um grande jogo”, destacou ainda, acrescentando que, apesar do empate, “a força” demonstrada é um sinal muito positivo do trabalho que a equipa está a fazer”.

“Lembram-se de alguma defesa do Rui Patrício?”, questionaria mais tarde Jorge Jesus na conferência de imprensa. O treinador do Sporting reviu a segunda parte do jogo para a qual os jogadores partiram “convictos de que o jogo ia ser mais fácil” mas admitiu uma lacuna: “Faltou-nos alguma intensidade”. “Não está em discussão a grande penalidade mas este resultado no final dos 90 minutos custa, como é óbvio”. “O resultado é o que é”, lamentou Rui Vitória, com a certeza de que a equipa fez “um grande jogo”: “Fizemos uma exibição de grande qualidade. Ponto final parágrafo, fomos melhores. Demonstrámos força, saímos com um empate mas com convicção de que estamos vivos”.

Quando à atuação da equipa de arbitragem, com vídeo-árbitro incluído, o técnico do Sporting considerou que “esteve sempre bem nas decisões que tomou”, numa opinião antagónica à do treinador visitado: “Houve lances que são suscetíveis de análise. Foi marcado um penálti quando estava a acabar o jogo, quando já devia ter sido marcado antes”, explicou. Rui Vitória voltou a referir, agora em conferência de imprensa, que vai estar “atento” aos critérios no futuro, para perceber se serão tomadas as mesmas decisões. “Precisamos de esclarecimentos e definição de regras”, acrescentou ainda, numa abordagem mais global ao funcionamento do vídeo-árbitro.

Em relação aos jogadores, e enquanto o lateral leonino Piccini falou num “grande jogo do Sporting, que continua na luta, num ambiente difícil”, o médio encarnado Krovinovic utilizou mesmo a palavra “massacre” para descrever a segunda parte. “Vamos ganhar o campeonato com certeza“, atirou de forma confiante.

O Benfica e o Sporting defrontaram-se esta quarta-feira pela 301.ª vez, no Estádio da Luz. Gelson Martins, de cabeça, marcou o único golo do Sporting, aos 19 minutos de jogo. Em cima do final do encontro, Jonas fez o empate a uma bola de penálti, depois de Battaglia ter desviado com a mão um remate de Rafa dentro da área.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)