Recep Tayyip Erdogan

Turquia “não entregará terroristas”, se os EUA não extraditarem Fethullah Gülen

Erdogan recordou que nos últimos 15 anos a Turquia entregou aos Estados Unidos 12 suspeitos por terrorismo, referindo que, agora que pede Fethullah Gülen, os EUA "não nos dão" o terrorista.

TURKISH PRESIDENTAL PRESS OFFICE HANDOUT/EPA

O Presidente da Turquia advertiu esta quinta-feira que não aceitará pedidos de extradição de suspeitos de terrorismo para os EUA enquanto este país não entregar o predicador Fethullah Gülen, que Ancara acusa de ter instigado o golpe de Estado de 2016.

Recep Tayyip Erdogan recordou que nos últimos 15 anos a Turquia entregou aos Estados Unidos 12 suspeitos por terrorismo procurados por Washington, informou a agência noticiosa Anadolu.

“Agora pedimos um terrorista e não nos dão. Colocam pretextos…”, referiu Erdogan numa referência a Gülen, um antigo aliado do político islamita e residente no estado da Pensilvânia (EUA) desde 1999.

“Lamento, mas se não nos entregarem este, a partir de agora, quando nos quiserem pedir algum terrorista, enquanto este miserável [Gülen] estiver no ativo, não o receberão”, disse o chefe de Estado turco durante um discurso, dirigindo-se ao seu homólogo norte-americano Donald Trump.

“Onde está a cabeça desta organização? Está na Pensilvânia. Quem está por detrás dela? Na sua câmara oculta, também estão dos Estados Unidos”, assegurou Erdogan, citado pela agência noticiosa Efe.

As autoridades turcas pediram à administração norte-americana a detenção de Gülen em junho de 2016, pouco dias após o fracassado golpe de Estado, mas responsáveis em Washington consideraram que o pedido não preenchia os requisitos, incluindo a comprovação de uma relação evidente entre o acusado e a intentona militar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)