As erupções sucessivas do vulcão Mayon, nas Filipinas, obrigaram à evacuação de mais de mil pessoas de duas aldeias depois de este ter produzido uma nuvem de gases e cinza de vários metros. Estas que foram transportadas para centros de acolhimento.

O Mayon, na ilha de Luzón, a cerca de 350 quilómetros de Manila, teve pelo menos três erupções nas últimas 24 horas, sendo que a primeira aconteceu durante a tarde de sábado. A última correu já durante a manhã deste domingo, segundo a agência sismológica das Filipinas, que entretanto elevou o nível de alerta para dois por considerar que as erupções podem continuar e vir a ser ainda mais perigosas.

As autoridades aconselharam a população a não se aproximar de um raio de seis quilómetros do vulcão.

O Mayon entrou pela última vez em atividade em 2014, levando à evacuação de várias centenas de pessoas. A erupção mais mortífera, contudo, aconteceu em 1841, a morte de 1.200 pessoas. Uma cidade ficou completamente soterrada em lava.