O Lamborghini Urus que se cuide! Depois de muitos rumores, avanços e recuos sobre o tema, a Ferrari decidiu – finalmente – partir para o ataque e avançar com o projecto de construção daquele que será o primeiro SUV na história do construtor de Maranello.

A confirmação veio do próprio CEO da Ferrari, Sergio Marchionne, que na abertura do Salão Automóvel de Detroit assumiu que a marca italiana vai mesmo ter um SUV. Já a partir do final de 2019, e com o objectivo assumido de ser o modelo mais rápido, entre os demais.

Ao britânico AutoExpress, Marchionne revelou inclusivamente que o futuro SUV terá uma imagem “de acordo com aquilo que um Ferrari Utility Vehicle (FUV) deve parecer”. Oferecendo, ao mesmo tempo, “sensações de condução iguais às de qualquer Ferrari”.

Afinal, a Ferrari não vai fazer um SUV. É um FUV, diz a marca

Confrontado com a questão se pretende construir o SUV mais rápido do mundo, o italiano preferiu ignorar a ameaça chamada Lamborghini Urus.

Até ao momento, o título de SUV mais rápido pertence a um Alfa [Stelvio Quadrifoglio]. E eu acredito que a Ferrari não tem medo da Alfa Romeo”, disse, assegurando que a marca de Maranello “fará o seu melhor para construir o SUV mais rápido”.

FUV chega “no final de 2019, início de 2020”

Na conversa com a mesma publicação, o CEO da Ferrari deixou ainda a certeza de que o futuro SUV do Cavallino Rampante estará pronto mais rápido do que muitos, à partida, previam. Com Marchionne a revelar que, “muito provavelmente, o modelo chegará no final de 2019 ou, o mais tardar, no início de 2020”.

Eu já vi o carro, quando estive na Europa, há cerca de oito dias. Ainda não está pronto. Estão a ser estudadas, neste momento, várias formas para a carroçaria, mas posso dizer desde já que está a ficar com bom aspecto”, comentou o italiano.

Plano estratégico, aguarda-se

Mostrar Esconder

A confirmação acerca de um SUV Ferrari surge numa altura em que os fãs da marca do Cavallino Rampante aguardam ansiosamente pelo anúncio do novo plano estratégico, para os próximos cinco anos. Sendo que, no caso deste fazer parte, efectivamente, a construção de um SUV, tal deverá ser também uma das últimas medidas de gestão tomadas por Sergio Marchionne, o qual se prepara já para abandonar o cargo de CEO, primeiro da FCA, em 2019, e depois da Ferrari, em 2021.

Decidido a ir contra a opinião dos chamados puristas, que consideram o projecto uma afronta, Marchionne pretende aproveitar o élan que o segmento dos SUV e crossover actualmente revela para, tal como acontece com os rivais directos da Ferrari, reforçar os lucros do fabricante de Maranello e acabar de vez com as dívidas. Algo que, aliás, o CEO acredita poder alcançar já no final de 2018, apesar do construtor ter ficado aquém dos resultados definidos para 2017.

No entanto, o italiano também assume que não basta fazer apenas um SUV: “Até mesmo pessoas de fora da Ferrari pediriam, certamente, a minha cabeça, caso fizéssemos apenas um SUV”.