Rádio Observador

Vieira da Silva

Governo diz estar a trabalhar para encontrar solução para antiga Triumph

Vieira da Silva afirmou, esta segunda-feira, que o Governo tem estado a acompanhar a situação da fábrica da antiga Triumph e que o ideal é encontrar "uma alternativa de investimento".

INÁCIO ROSA/LUSA

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou esta segunda-feira que o Governo continua a trabalhar para assegurar uma alternativa de investimento para a antiga fábrica da Triumph.

O Governo tem estado “a acompanhar de perto, através do Ministério da Economia e também do Ministério do Trabalho”, a situação da fábrica da antiga Triumph, sediada em Sacavém, no concelho de Loures, vincou o ministro.

“O ideal é que seja possível encontrar uma alternativa de investimento. O Governo continua a trabalhar no sentido de encontrar essa possibilidade”, disse Vieira da Silva, que falava aos jornalistas após a cerimónia de entrega do prémio cooperação e solidariedade António Sérgio, que decorreu na antiga Igreja de São Francisco, em Coimbra.

Caso tal seja impossível, explicou, “serão desencadeados todos os mecanismos para que o apoio social àquelas pessoas e àquelas famílias seja rápido e eficaz”, referindo que “Infelizmente, mesmo num quadro de criação de emprego tão forte como aquele que estamos a viver, existem empresas que apresentam dificuldades e que, por vezes, não conseguem manter os seus postos de trabalho”.

As trabalhadoras da fábrica da antiga Triumph estiveram esta manhã concentradas junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, para pedir a intervenção do Presidente da República. As trabalhadoras da fábrica têm estado desde o dia 5 de janeiro em vigília à porta da empresa, depois de terem tomado conhecimento de que a administração tinha iniciado um processo de insolvência.

A fábrica da antiga Triumph (de roupa interior feminina) foi adquirida no início de 2017 pela TGI-Gramax e emprega atualmente 463 trabalhadores. O investidor suíço Gramax entrou na antiga fábrica da Triumph e até ganhou carteira de clientes, mas, em novembro do ano passado, a administração da Têxtil Gramax Internacional comunicou aos trabalhadores que iria ocorrer um processo de reestruturação, que previa o despedimento de 150 pessoas.

A 5 de janeiro, depois de tomarem conhecimento de que a administração tinha iniciado um processo de insolvência, os trabalhadores começaram uma vigília à porta das instalações para impedir a saída de material.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)