Vieira da Silva

Governo diz estar a trabalhar para encontrar solução para antiga Triumph

Vieira da Silva afirmou, esta segunda-feira, que o Governo tem estado a acompanhar a situação da fábrica da antiga Triumph e que o ideal é encontrar "uma alternativa de investimento".

INÁCIO ROSA/LUSA

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou esta segunda-feira que o Governo continua a trabalhar para assegurar uma alternativa de investimento para a antiga fábrica da Triumph.

O Governo tem estado “a acompanhar de perto, através do Ministério da Economia e também do Ministério do Trabalho”, a situação da fábrica da antiga Triumph, sediada em Sacavém, no concelho de Loures, vincou o ministro.

“O ideal é que seja possível encontrar uma alternativa de investimento. O Governo continua a trabalhar no sentido de encontrar essa possibilidade”, disse Vieira da Silva, que falava aos jornalistas após a cerimónia de entrega do prémio cooperação e solidariedade António Sérgio, que decorreu na antiga Igreja de São Francisco, em Coimbra.

Caso tal seja impossível, explicou, “serão desencadeados todos os mecanismos para que o apoio social àquelas pessoas e àquelas famílias seja rápido e eficaz”, referindo que “Infelizmente, mesmo num quadro de criação de emprego tão forte como aquele que estamos a viver, existem empresas que apresentam dificuldades e que, por vezes, não conseguem manter os seus postos de trabalho”.

As trabalhadoras da fábrica da antiga Triumph estiveram esta manhã concentradas junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, para pedir a intervenção do Presidente da República. As trabalhadoras da fábrica têm estado desde o dia 5 de janeiro em vigília à porta da empresa, depois de terem tomado conhecimento de que a administração tinha iniciado um processo de insolvência.

A fábrica da antiga Triumph (de roupa interior feminina) foi adquirida no início de 2017 pela TGI-Gramax e emprega atualmente 463 trabalhadores. O investidor suíço Gramax entrou na antiga fábrica da Triumph e até ganhou carteira de clientes, mas, em novembro do ano passado, a administração da Têxtil Gramax Internacional comunicou aos trabalhadores que iria ocorrer um processo de reestruturação, que previa o despedimento de 150 pessoas.

A 5 de janeiro, depois de tomarem conhecimento de que a administração tinha iniciado um processo de insolvência, os trabalhadores começaram uma vigília à porta das instalações para impedir a saída de material.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
251

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)