Um dos nomes mais respeitados na alta finança europeia e mundial, William White, avisa que se formou uma “tempestade perfeita” nos mercados financeiros e que os riscos são hoje maiores do que eram, por exemplo, em 2008, a altura em que o colapso do banco de investimento Lehman Brothers desencadeou uma crise global que viria a resultar na chamada “Grande Recessão”.

William White foi economista-chefe do Banco de Pagamentos Internacionais (BIS), o “banco dos bancos centrais”, e hoje lidera o conselho de supervisão da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Em conversa com o The Telegraph, o veterano dos mercados financeiros mostra-se especialmente preocupado pelo facto de, na sua opinião, os governos e os bancos centrais se terem deixado envolver numa “armadilha de políticas” que faz com que neste momento restem poucas ferramentas para fazer face a uma inversão súbita das condições favoráveis nos mercados financeiros.

Todos os indicadores de mercado, neste momento, parecem muito semelhantes ao que víamos antes de crise do Lehman, mas a lição parece ter sido, de alguma forma, esquecida“, afirmou William White, numa entrevista à margem do encontro de Davos, na Suíça, que se realiza numa altura em que várias bolsas estão em máximos históricos.

Cerca de nove anos de taxas de juro baixas e outras medidas extraordinárias de estímulos monetários criaram uma dependência em relação à dívida, que afeta sobretudo os mercados emergentes, na leitura de William White. Em comparação com 2007-2008, os níveis globais de dívida aumentaram em mais de 50% do PIB.

“Por regra, forma-se um otimismo inebriante no momento mais alto de todos os booms [expansões rápidas], em que as pessoas se agarram às boas notícias e convencem-se a si próprias de que os riscos estão a reduzir-se, mas é precisamente aí que os piores erros são cometidos”.

Apesar de avisos como este, organizações como o Fundo Monetário Internacional (FMI) continuam a alimentar o otimismo dos investidores em relação às perspetivas económicas, a nível global.

FMI: Trump vai dar impulso de curto prazo à economia global