Os chefes dos Governos português e espanhol, António Costa e Mariano Rajoy, passaram esta terça-feira em revista matérias da atualidade bilateral e europeia num almoço de trabalho, em Madrid, que decorreu num ambiente “excelente e amigável”.

Fonte do gabinete do primeiro-ministro português salientou o “bom entendimento” e as “relações muito fluidas” entre os dois governantes, apesar de pertencerem a famílias políticas distintas.

António Costa (socialista) e Mariano Rajoy (direita) tiveram um almoço de trabalho na residência oficial do Governo espanhol, Palácio da Moncloa, que durou mais de duas horas, antes de o primeiro-ministro português inaugurar ao fim da tarde, no museu Rainha Sofia, na capital espanhola, uma exposição sobre o poeta Fernando Pessoa.

Entre os temas tratados, os dois governantes fizeram o ponto da situação das decisões tomadas na última cimeira entre os dois países e prepararam a próxima, que se deve realizar no segundo semestre de 2018. Costa e Rajoy também prepararam a visita de Estado que o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, deverá fazer a Espanha ainda durante o primeiro semestre de 2018.

Destaque ainda para a preparação de uma cimeira tripartida entre Portugal, Espanha e França, consagrada às interligações elétricas, que Lisboa vai organizar nos próximos meses, também sem data marcada.

No que diz respeito a questões europeias, os chefes dos executivos dos dois países da Península Ibérica trataram da cimeira informal dos chefes de Estado e de Governo da União Europeia, que se reúnem a 23 de fevereiro próximo em Bruxelas.

António Costa inaugura ao fim da tarde a exposição “Pessoa. Toda a arte é uma forma de literatura” que poderá ser visitada no museu Rainha Sofia de 7 de fevereiro até 7 de maio. Partindo da obra literária do poeta e escritor português, a exposição vai reunir várias obras de artistas portugueses, relacionadas com as principais correntes estéticas de Portugal desde os inícios do século XX até 1935.

Portugal apoia candidatura de Luis de Guindos ao BCE

De acordo com fonte do gabinete do chefe do Governo português, António Costa reiterou a Mariano Rajoy o apoio de Portugal a uma eventual candidatura de Luis de Guindos, atual ministro da Economia de Espanha, à vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE).

A mesma fonte recordou que este tipo de apoios mútuos “é normal” quando estão em causa altos cargos internacionais, apontando o caso do apoio espanhol na eleição do ministro das Finanças português, Mário Centeno, para a presidência do Eurogrupo.

Luis de Guindos poderá candidatar-se à vice-presidência do BCE deixada vaga pelo português Vitor Constâncio, que termina o mandato no final de maio. O prazo para os países da zona euro apresentarem candidatos ao cargo de vice-presidente do Banco Central Europeu termina na quarta-feira, sendo que Espanha e Irlanda já anunciaram que vão entrar na corrida.

O novo vice-presidente vai substituir o português Vítor Constâncio no comité executivo do BCE, cujo mandato termina em 31 maio. Espanha já anunciou que apresentará um candidato para o lugar, que deverá ser o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, embora o nome ainda não tenha sido divulgado oficialmente. A Irlanda já anunciou a candidatura do governador do Banco Central irlandês, Philip Lane.