Depois de o New York Times ter avançado esta sexta-feira que o FBI foi informado em janeiro (por alguém “próximo” de Nikolas Cruz, escreve o jornal sem especificar a identidade do informador) que o atirador da Flórida possuía uma arma de fogo, uma espingarda semi-automática AR-15, e era perigoso, a polícia federal norte-americana confirmou a receção da denúncia e admite uma falha nos protocolos que deviam ter sido seguidos e não foram.

Determinámos que os protocolos não foram seguidos após as informações terem sido recebidas. As informações não foram encaminhadas para o departamento do FBI em Miami e nenhuma investigação foi realizada naquele momento [janeiro]”, lê-se num comunicado do FBI.

O New York Times vai mais longe e detalha a informação enviada à polícia federal, onde o atirador é descrito como tendo “desejo por matar pessoas, comportamento errático e publicações perturbadoras nas redes sociais”, acrescentando o informador que Nikolas “poderia fazer um tiroteio na escola” onde foi estudante, tendo sido expulso no passado por razões disciplinares.

Mas esta não foi a primeira informação que chegou ao FBI sobre o atirador da Florida.

Em setembro, um utilizador do YouTube no Mississippi denunciou à polícia federal um comentário deixado por Nikolas Cruz naquela rede social. Nikolas escreveu então num comentário a um vídeo: “Vou ser um atirador profissional na escola”.

O diretor do FBI, Christopher Wray, citado pela Associated Press, já apresentou desculpas às famílias das vítimas do tiroteio na Florida. “Lamentamos profundamente a dor adicional que isto [o ignorar da denúncia contra Nikoas Cruz por parte da polícia federal] causou a todos os afetados por esta tragédia horrível”, afirmou Wray.

Nas últimas horas o Governador da Florida, Rick Scott, já veio publicamente exigir a demissão do diretor do FBI. “A falha do FBI ao não actuar contra este assassino é inaceitável. O diretor do FBI tem que se demitir”, garantiu Scott.

Na passada quarta-feira, Nikolas Cruz, de 19 anos, assassinou a tiro 17 pessoas na Marjory Stoneman Douglas High School.

Nikolas Cruz, o jovem que matou 17 pessoas a tiro na Flórida e era “maluco por armas”