“A toda esta família, informo que decidi terminar a minha participação no Festival da Canção”. Foi através das redes sociais que Diogo Piçarra informou o público da sua decisão: o cantor vai mesmo desistir do Festival da Canção, depois de ter visto o tema que interpretou a ser comparado a uma canção religiosa que também gravada e editada pela IURD (e após ter assumido as semelhanças entre as duas canções). Piçarra tinha sido o favorito do júri e do público mas já não é candidato a suceder Salvador Sobral na Eurovisão.

Com a desistência de Diogo Piçarra, segue para a final a música composta por Aline Frazão e interpretada por Susana Travassos, “Mensageira” — que tinha ficado em oitavo lugar na segunda semifinal do Festival da Canção. Ao Observador, Júlio Isidro, presidente do júri, disse que havia “duas situações a ser equacionadas”: a final realizar-se só com 13 canções ou avançar a canção que tinha ficado e oitavo lugar na segunda semifinal. Entretanto, um comunicado enviado pela RTP confirma que a canção de Aline Frazão vai mesmo substituir a de Diogo Piçarra e assumir o “número 760 100 802 (sorteado para Diogo Piçarra), com a contagem a iniciar-se do zero a partir de agora”.

Independentemente dos argumentos e questões colocadas sobre o tema, a RTP não duvidou em momento nenhum da integridade do artista, cuja carreira já fala por si”, pode ler-se no comunicado.

Júlio Isidro adiantou ainda que não tinha sido “convocado para nenhuma reunião” e tal só deverá acontecer amanhã, quarta-feira. O presidente do júri revelou também ao Observador que “o júri não se envolveu na decisão” da desistência de Diogo Piçarra e esclareceu que só tem a função de “julgar as canções no momento do Festival”. Fernando Martins, o produtor musical que segundo o regulamento zela pela legitimidade das canções em concurso, soube da decisão de Diogo Piçarra pelo Observador: “Não sei de nada, lamento não poder ajudar. Já houve uma decisão, é? Ainda não fui informado de nada, vamos ter de esperar pela RTP”, disse ao telefone com o jornal.

https://www.instagram.com/p/Bftu2KKhMH7/?taken-by=diogopicarra

No comunicado publicado nas redes sociais do artista, Diogo Piçarra anunciou ter terminado a participação no Festival da Canção: “A minha posição mantém-se em relação à minha música, a consciência tranquila e cabeça erguida. Mas não pretendo alimentar mais esta nuvem. Tudo isto que se criou em torno da minha participação, já não é Música”. O cantor também agradeceu aos “colegas de profissão, amigos, família e fãs” que o apoiaram nas últimas 24 horas: “Não quero deixar de dizer o orgulho que poderia ser representar o meu país num concurso como a Eurovisão, mas já não faz sentido nenhum sequer tentar ganhar essa oportunidade”.

Ainda nas redes sociais, Diogo Piçarra disse que a vida e a carreira não dependem do Festival da Canção: “Só depende de vocês e nesse sentido sei que estarei para sempre bem acompanhado”, disse o cantor dirigindo-se aos fãs.

Com “Canção do Fim”, assinada e interpretada pelo próprio Diogo Piçarra, o cantor conquistou a votação máxima do público e do júri — 12 pontos de cada –, tendo sido o concorrente mais votado das duas semifinais. Na segunda-feira seguinte, Diogo Piçarra viria a ser apontado através das redes sociais como autor de um possível plágio de uma canção cujo exemplo de gravação mais popular tem sido aquele que foi editado pela Igreja Universal do Reino de Deus com o título “Abre Os Meus Olhos”. As acusações nas redes sociais começaram na madrugada após a semifinal do Festival, poucas horas depois da apresentação da canção candidata a representar Portugal na Eurovisão.

[Veja o vídeo que compara as duas músicas]

[jwplatform N5HAEbR8]

Logo depois de ter sido acusado, Diogo Piçarra reagiu à polémica. Numa publicação que fez na sua página do Instagram, o cantor disse que estava de “consciência tranquila” até porque, defendeu, era ele quem estava “mais surpreendido no meio disto tudo”.

E é engraçado como a vida tem destas coisas, coincidência divina ou não, e perceber que a Internet é o verdadeiro juiz dos tempos modernos”, escreveu o cantor na publicação.

O cantor explicou que “a ideia para a ‘Canção do Fim’ surgiu em 2016” e que a manteve “guardada por achar algo especial”. Piçarra garantiu ainda que “nunca participaria num concurso nacional com a consciência de que estava a plagiar uma música da Igreja Universal”. “Teria agarrado na guitarra e feito outra coisa qualquer”, escreveu ainda.

Entretanto, o músico Armando Teixeira já reagiu à decisão de Diogo Piçarra. Numa publicação privada no Facebook, o antigo membro dos Da Weasel escreveu: “Passei três dias com o Diogo Piçarra nos ensaios para a 2ª semifinal do festival da canção. Não o conhecia nem à sua música. Falei com ele e naturalmente observei a maneira como se relaciona com as pessoas e a seriedade com que faz o seu trabalho. Podem chamar-lhe intuição ou o que quiserem mas não acredito que ele tenha tido intenção de plagiar seja o que for. Força Diogo! Parabéns pela tua digna atitude”.

“Achava que tinha tido uma ideia brilhante”. Piçarra admite “parecenças” ao Observador

No mesmo dia, em declarações ao Observador, garantiu que não plagiou o cântico religioso, que “nunca” tinha ouvido nem tinha conhecimento da sua “existência” ou ligação à IURD. “Acho que fui o que fiquei mais surpreendido no meio disto porque achava que tinha tido uma ideia brilhante“, revelou, acrescentando que duas horas depois de ter sido alvo da polémica nas redes sociais, ouviu a música que estava a ser comparada à sua e disse: “Ih, a sério? Eu nunca ouvi isto na vida, nunca vi este senhor [cantor do tema brasileiro], nunca vi este título, este álbum…”.

[Veja no vídeo a primeira reação de Diogo Piçarra, numa entrevista ao Observador]

[jwplatform 2He4hJoi]

“É a sina do compositor que aconteceu novamente e desta vez calhou-me a mim. Isto acontece a todos, toca a todos e só quem não cria arte é que não sofre com isto“, disse Diogo Piçarra ao Observador, explicando que “é normal que, em 20 músicas, três ou quatro sejam iguais às que costumamos ouvir”. Ainda assim, o cantor garante que “nunca tinha ouvido” o cântico pelo que não pode ter havido uma inspiração acidental. Segundo Piçarra, não só ele mas as pessoas com quem trabalha: “Ninguém pensou” que o tema “fosse parecido” com o cântico brasileiro. “Se não, acho que me tinham avisado e eu tinha voltado atrás”, está certo.

Na mesma entrevista dada ao Observador, Diogo Piçarra admitiu as “parecenças” mas explicou que tendo em conta “a melodia tão simples e tão elementar” dos dois temas, é  “quase inevitável”, disse, que quer a sua canção, quer o cântico religioso seja “parecida com muita coisa”. Ainda assim, Diogo Piçarra continua a defender a sua canção, que considera “lindíssima”. “Continuo a defendê-la”, disse.

A polémica de que a canção de Diogo Piçarra seria semelhante à música “Abre os Meus Olhos” começou a surgir nas redes sociais. Além de ter ficado surpreendido, o cantor revelou ao Observador que se questionou: “Quem é que foi encontrar aquela música de 1979, que é tão antiga, que nem sequer passa na rádio, que só deve ser cantada nas igrejas?”.