Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Volvo acredita que ter duas marcas é melhor do que uma para consquistar o coração dos seus potenciais clientes, pelo que já em Outubro tratou de criar a Polestar, o “outro” construtor sueco a quem vai caber o desenvolvimento das versões mais desportivas. Se o Polestar 1 já era conhecido em fotos, o Salão de Genebra permitiu a sua primeira apresentação ao público  europeu. E a verdade é que o modelo conta com atributos mais que suficientes para chamar a atenção.

Para começar, o Polestar 1 retoma a plataforma que é pau para toda a obra na Volvo, com a Scalable Product Architecture a ser a mesma que já serviu para a concepção das séries 60 e 90 da marca sueca, que é controlada pelos chineses da Geely, liderados por Li Shufu, o tal que é igualmente o maior accionista da Mercedes. Ora, dos múltiplos trunfos esgrimidos por esta plataforma, conta-se a possibilidade de alojar uma solução eléctrica, ou até mesmo híbrida plug-in, com espaço para alojar um generoso volume de baterias.

Assim, à frente, o Polestar monta o motor 2.0 turbo de quatro cilindros a gasolina, muito provavelmente o T6 da Volvo, com 320 cv, mas o segredo está na traseira. É aqui que a Polestar coloca um par de pequenos motores, cada um ligado à sua roda, alimentados por uma bateria de 34 kWh. Portanto, pequena se estivéssemos perante um veículo desta bitola 100% eléctrico, mas muiiiiito grande para um plug-in, que o Polestar 1 verdadeiramente é.

O resultado são 600 cv e 1.000 Nm de força, que obviamente apenas vão estar disponíveis enquanto houver energia na bateria, mas que não deixa de impressionar, pois não há muitos coupés com este nível de espaço e potência. Mas a grande virtude do 1 está, sobretudo, na sua possibilidade de circular durante 150 km em modo exclusivamente eléctrico, um valor bem mais interessante do que os cerca de 50 km que a média dos seus rivais plug-in disponibilizam.

O Polestar 1 deverá ser proposto em torno dos 130.000€, mas só a partir de meados de 2019, quando a sua produção se iniciar em Chengdu, na China, numa fábrica que começou a ser erguida em Novembro de 2017. O 1 vai estar disponível para encomenda a partir de 13 de Março, em 18 mercado, incluindo Portugal, com os potenciais interessados a ter de efectuar um depósito de 2.500€. A marca, através de Thomas Ingenlath, CEO da Polestar, já anunciou ter mais de 6.000 potenciais clientes para o 1, com o nosso país a ser responsável por 35 destes promitentes compradores. E a marca não vai ficar por aqui, pois vem aí um Polestar 2 e 3, este último a assumir-se como um SUV 100% eléctrico similar ao XC60. Sem esquecer o Polestar 4, descapotável.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR