Síria

Pelo menos 45 civis foram mortos em Ghouta Oriental

Os bombardeamentos em Ghouta oriental mataram esta quarta-feira 45 civis. O Observatório Sírio dos Direitos Humanos diz que a maioria foi morta por ataques russos.

SANA HANDOUT/EPA

Pelo menos 45 civis foram mortos esta quarta-feira em bombardeamentos em Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco, indicou uma organização não-governamental síria, numa altura em que o regime sírio, apoiado pela Rússia, reforçou a ofensiva contra aquele bastião rebelde.

“A maioria foi morta por ataques russos”, afirmou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), uma organização não-governamental (ONG) síria com sede em Londres, acrescentando que as manobras militares fizeram 16 mortos numa única localidade, Hammouriye.

Moscovo, um dos principais aliados internacionais do regime sírio, sempre negou estar envolvido nos raides aéreos contra Ghouta Oriental, o último grande bastião da oposição ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, situado perto da capital síria (Damasco).

Na terça-feira, os dados atualizados do Observatório sobre o número de vítimas mortais em Ghouta Oriental davam conta que pelo menos 800 civis, incluindo 177 crianças, tinham perdido a vida.

A ONG síria também avançou esta quarta-feira que o regime sírio reconquistou mais de metade deste enclave rebelde desde que lançou a atual ofensiva, a 18 de fevereiro.

“As forças do regime controlam mais de 50% do enclave rebelde”, nomeadamente após ter recuperado as localidades de Beit Sawa e Al-Achaari, segundo o diretor de OSDH, Rami Abdel Rahmane.

Estas informações são divulgadas no mesmo dia em que está a decorrer em Nova Iorque, na sede das Nações Unidas, uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, à porta fechada, para discutir a situação na Síria a pedido do Reino Unido e de França.

À chegada à reunião, o embaixador francês junto da ONU, François Delattre, denunciou que o governo sírio continua a sua ofensiva contra Ghouta Oriental, em “completa violação” da resolução do Conselho de Segurança da ONU do passado dia 24 de fevereiro, que aprovou por unanimidade uma trégua humanitária de um mês.

“O regime sírio, enquanto falamos, continua a assediar e a bombardear os seus próprios cidadãos em Ghouta Oriental”, disse o representante diplomático francês, em declarações aos jornalistas.

François Delattre também acusou o regime de Damasco de se opor “com um cinismo absoluto” ao fornecimento de ajuda humanitária, na sequência dos entraves colocados nos últimos dias para a entrada em Ghouta Oriental de um comboio humanitário de 46 camiões para distribuir ajuda alimentar e médica.

O embaixador francês assegurou que “não se pode baixar os braços” e insistiu que a comunidade internacional tem de pressionar os países com influência sobre a Síria, como é o caso da Rússia, para que a resolução de uma trégua humanitária seja respeitada.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos ‘jihadistas’, e várias frentes de combate.

Num território bastante fragmentado, o conflito civil na Síria provocou, desde 2011, mais de 350 mil mortos, incluindo mais de 100 mil civis, e milhões de deslocados e refugiados.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)