National Geographic

Uma negra e outra branca: as gémeas “milagre” que são capa da National Geographic

5.862

São duas meninas de 11 anos e irmãs gémeas mas têm cores de pele bem distintas: uma é negra e outra branca. As meninas "milagre" vão ser capa da National Geographic em abril.

Marcia e Millie Biggs são as protagonistas da capa da revista National Geographic do mês de abril. As meninas “milagre”, como lhes chama a mãe, são gémeas e fazem parte de um  grupo muito restrito de irmãos gémeos que têm cores de pele diferentes: uma é branca e outra é negra. As meninas de 11 anos foram escolhidas pela revista para retratar uma edição exclusiva que se dedica ao tema da raça.

Filhas de mãe inglesa e de pai jamaicano, Marcia e Millie têm feições similares, tal como todos os gémeos, mas há algo que as distingue. A cor de pele de ambas salta à vista e muitas vezes perguntavam aos pais se eram realmente gémeas. Com o seu cabelo loiro e pele clara, Marcia herdou os traços da mãe, enquanto Millie é a cara do pai, com os seus cabelos castanhos e pele escura.

Passados 11 anos, as diferenças entre as duas são mais visíveis, mas nem por isso são alvo de discriminação, antes, conta a mãe, são alvo de mentes curiosas. Com o passar do tempo, diz, “as pessoas simplesmente começaram a ver a sua beleza“. Para a mãe, são as meninas “milagre” embora não seja caso único no mundo.

Mas afinal por que razão são gémeas e nascem com uma cor diferente? Os traços de cada criança dependem de inúmeros fatores como “o local de onde são os antepassados dos pais” e a genética da pigmentação dos pais, diz Alicia Martin, investigadora no Broad Institute em Cambridge, Massachusetts.

No caso de gémeos com cor de pele diferente, durante a gravidez, cada bebé teve de se desenvolver necessariamente num saco amniótico distinto, tendo assim diferenças na sua constituição genética. Em termos genéticos, diz a investigadora, a cor de pele “não é um traço binário” com apenas duas possibilidades. No século em que vivemos, escreve a National Geographic, “a compreensão da genética humana diz-nos que a ideia de raça é uma invenção humana“.

Millie diz que “o racismo é quando alguém te julga pela tua cor e não pelo teu eu“, já Marcia define este conceito como “uma coisa negativa, porque pode magoar os sentimentos das pessoas”. A ciência confirma que o conceito de raça “não tem base genética ou científica”, mas a verdade é que o conceito surge como uma linha divisória no mundo em que vivemos.

A revista inclui uma história sobre como se originaram as ideias científicas de raça, uma carta do editor que explora a própria história da raça e um documentário sobre o fenómeno de homens negros que são mandados parar pela polícia enquanto conduzem.

Percorra a fotogaleria para ver as fotografias de Millie e Marielle, mas também das gémeas Isabella e Gabriella.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)