Videojogos

“Ni No Kuni II” é o jogo que está às portas de um mundo mágico

"Ni No Kuni II: Revenant Kingdom" é a sequela do jogo criado entre o famoso estúdio Ghibli e a histórica Level-5, e que apaga a linha entre um bom filme de animação e um videojogo.

Ni No Kuni II: Revenant Kingdom chega hoje às lojas para PC e PS4.

A fronteira imaterial que separa um bom filme de animação de um bom videojogo já há muito que foi ultrapassada. Talvez para isso tenha contribuído, e muito, o lançamento de Ni No Kuni: Wrath of the White Witch, no Japão, em 2011, resultado de um trabalho conjunto entre dois históricos estúdios japoneses, um de videojogos — Level-5 — e um de animação que quase não necessita de apresentação, mas cujo nome é sinónimo de excelência: Ghibli.

Ao contrário do primeiro jogo, nesta sequela, o estúdio de Miyazaki não tem um papel direto, ainda que alguns dos seus animadores tenham colaborado na definição artística do mundo que continua fiel ao imaginário cinematográfico do estúdio Ghibli. É , aliás, impossível não ficar conquistado pelo nível de brilhantismo visual deste jogo, onde a fluidez das animações é tão orgânica que duvidamos se em alguns momentos não existe mão humana e animação tradicional envolvida. O mundo é visualmente mais detalhado do que sonharíamos e  a atenção ao detalhe vai ao ponto da individualização de praticamente todos os “figurantes” que habitam este mundo.

Sendo um mundo de fantasia medieval com laivos de cultura nipónica, é uma verdadeira delícia explorar as diversas partes deste mundo verosímil, estranhamente familiar, e que sentimos muitas vezes como um agradável déja vu das ambiências que os filmes de Miazaki e companhia nos ofereceram ao longo das décadas. Um dos exemplos mais brilhantes é Goldpaw, uma interpretação do Japão feudal do que poderia ser uma Macau da época repleta de casinos, e onde quase todos os habitantes são cães antropomórficos.

A qualidade do argumento permite-nos este mergulho direto na suspensão da descrença de Ni No Kuni II: Revenant Kingdom. A abertura é inesperada: vemos uma coluna de veículos do Presidente dos EUA a ser brutalmente interrompida com um ataque de um míssil nuclear. Depois de um clarão, o Presidente Roland acorda mais jovem num castelo medieval, onde é surpreendido com uma criança que tem orelhas de gato e se chama Evan Pettiwhisker Tildrum. Um fortuito acontecimento do destino que permite a Roland salvar a vida de Evan no preciso momento em que um golpe de Estado o depõe como monarca de Ding Dong Dell e o coloca em fuga pela sua própria sobrevivência.

É aqui que Ni No Kuni II: Revenant Kingdom se abre e mostra o quão ambicioso é. Sustentado sobre uma linha narrativa aparentemente simples — a missão de Evan é conseguir o apoio de diversos povos e um novo Reino unificador de todas as nações –, temos um jogo composto por mecânicas distintas que são aparentemente demasiado difíceis de equilibrar e de juntar. Mas como percebemos rapidamente, a experiência que a Level-5 já tem a produzir alguns dos melhores RPGs nipónicos das últimas décadas permitiu-lhes pegar nessa ideia ambiciosa e fazer dela um dos grandes jogos do género.

O combate, como afirmámos na nossa antevisão, continua presente em duas linhas distintas. A primeira, e mais presente, é a RPG de ação, na qual que temos três personagens (escolhidas por nós a partir do elenco disponível) e podemos alternar livremente entre elas, derrotando uma série de inimigos numa área delimitada. Este sistema de combate é um dos momentos brilhantes do jogo, que inclui nuances, aplicações de táticas para explorar as fraquezas dos inimigos e as forças do nosso elenco, como alternar entre armas ou utilizar a ajuda das pequeninas criaturas que nos seguem em combate.

A já referida fluidez de animação e o brilhantismo visual ajudam a criar todo o efeito de espetacularidade nos combates, seja com grupos de inimigos ou mesmo com os grandes monstros que teremos de derrotar. A segunda é mais tática e passa mais a ideia de defesa de um Reino, na qual entramos num modo “quase” de jogo de estratégia e que controlamos Evan e alguns batalhões a derrotar exércitos invasores.

A partir do momento em que começamos a ter algumas nações seguidoras e que criámos um pequeno Conselho Governativo, Evan cria Evermore, o novo reino, com a ajuda dos cidadãos que vão chegando das áreas que visitou e que acreditam na sua filosofia e bondade. E é aqui que entra mais uma camada mecânica de No No Kuni II, a da gestão de um Reino. Além das cenas de ação que fazem parte do espetáculo e da dinâmica deste RPG, existe uma fase mais compassada que atingimos sempre que nos sentamos no trono de Evermore. Aqui, abrem-se menus de gestão do reino, o que inclui recolher impostos, construir novos edifícios e serviços, atribuir tarefas e profissões aos cidadãos e expandir os limites do próprio Reino. São estes serviços e os upgrades progressivos que vão dando novas armas, armaduras e magias para enfrentarmos os perigos crescentes com os quais nos cruzamos no mundo. E que vão aumentando a reputação de Evermore para o mundo.

Este jogo tem uma grande conquista para os jogadores, o de permitir que o ritmo do jogo seja pautado por eles. Do combate à exploração, à interacção com as muitos personagens com quem nos cruzamos e que nos dão missões opcionais, ou até ao ato de gerir o próprio Reino, há muitos componentes distintos e todos eles são desenvolvidos de forma exímia, permitindo momentos díspares de fôlego ao jogador. Se nos apetecer avançar na história fazê-mo-lo ou podemos apenas saborear o jogo e ir cumprir missões secundárias ou conhecer novos sub-enredos de personagens que não conhecíamos. O ritmo, a velocidade e o nosso foco depende apenas das nossas decisões, e Ni No Kuni II dá-nos a liberdade de definirmos a nossa atenção em cada momento.

Ni No Kuni II: Revenant Kingdom é um dos jogos mais bonitos que já tivemos o prazer de jogar. Tem uma história interessante e animadora e personagens distintas e cheias de identidade. Consegue ser um jogo para todos, com a inclusão de um bom enredo, de ótimos sistemas de combate e RPG e até mecânicas de estratégia e gestão. O somatório exímio de diversas partes brilhantes que o tornam extremamente complexo (e completo) mas familiar e fácil de compreender. Ni No Kuni II: Revenant Kingdom é um dos jogos obrigatórios de 2018 e faz-nos acreditar neste mundo e nos seus habitantes, criando uma história que nos envolve desde os primeiros minutos e do qual sentimos realmente fazer parte. Fazer erguer Evermore, na sua ideologia de felicidade e união não é apenas uma linha do enredo, é também o nosso grande contributo emocional neste jogo.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)