I Guerra Mundial

António Costa falou sobre paz no centenário da guerra

António Costa evocou "a paz e a reconciliação entre os povos europeus", na localidade de La Couture, no norte de França, numa cerimónia evocativa do centenário da Batalha de La Lys.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, evocou hoje “a paz e a reconciliação entre os povos europeus”, na localidade de La Couture, no norte de França, numa cerimónia evocativa do centenário da Batalha de La Lys. Em frente ao Monumento aos Mortos portugueses, António Costa afirmou, em francês, que é preciso olhar para o futuro tendo em conta “os erros do passado” e lembrou que “os portugueses sofreram no corpo e na alma a violência” da Primeira Guerra Mundial.

“Cem anos depois, celebramos a paz e a reconciliação entre os povos europeus e a sua vontade de construirmos juntos um futuro comum”, afirmou, sublinhando “o profundo reconhecimento” pela presença do presidente francês, Emmanuel Macron, esta manhã, no cemitério militar de Richebourg, ao lado da delegação portuguesa, presidida pelo chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa. Depois, em português, o primeiro-ministro dirigiu-se às forças armadas portuguesas, “dignas herdeiras de uma tradição militar”, aos emigrantes que “engrandecem a França e prestigiam Portugal”.

António Costa ainda lembrou, em francês, que “Portugal comprometeu-se a contribuir para a paz” e que respondeu afirmativamente quando a França pediu soldados para a República Centro-Africana, depois dos atentados que sofreu. Antes da sua intervenção, o primeiro-ministro e o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, visitaram a igreja onde está exposto o “Cristo das Trincheiras” e um fresco sobre a Batalha de La Lys.

Depois, no Monumento aos Mortos descerraram uma placa evocativa do centenário da Primeira Guerra Mundial. Esta manhã, no cemitério militar de Richebourg, António Costa participou, ao lado dos presidentes português e francês, na cerimónia de homenagem aos soldados lusos que lutaram na Primeira Guerra Mundial, nomeadamente, na Batalha de La Lys, em 09 de abril de 1918, na qual os portugueses foram destroçados pelas tropas alemãs.

Esta tarde, as comemorações do centenário da batalha de La Lys incluem, ainda, o descerrar de placas em Arras e Lille e visitas a exposições nessas cidades. Este domingo, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estiveram em Paris para descerrar uma placa, na Avenue des Portugais, em “homenagem aos combatentes da Grande Guerra” e participaram numa cerimónia militar de homenagem ao Soldado Desconhecido no Arco do Triunfo, perante largas dezenas de portugueses.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aníbal Cavaco Silva

Indispensável /premium

Maria João Avillez

Fica-se a conhecer a singularíssima relação que houve entre dois políticos, não quaisqueres, Cavaco e Passos, e a aliança que teceram e não romperam. A visão é ampla e polifónica, goste-se ou não dela

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)