O comediante americano, que tem 80 anos, foi considerado culpado de todas as acusações por um júri do estado da Pennsylvania. Cosby estava acusado de violar 57 mulheres. Andrea Constand, de 45 anos, a primeira mulher a acusar o comediante e o nome que ficou associado à acusação (muitos dos casos tinham prescrito), tinha 30 anos quando Cosby, com 60, a abusou sexualmente.

As acusações a Cosby datam a dezembro de 2015, quando foi oficialmente acusado de três crimes de abuso sexual. O caso, inicialmente, pendia a favor do comediante por as acusações terem sido feito no limite da prescrição para poder ser acusado (a maioria dos atos datam ao início de 1980 e vão até 2004, com a acusação de Constand). Contudo, depois de dezenas de mulheres revelarem que que também tinham sofrido abusos, a opinião pública em relação a um dos mais influentes comediantes americanos mudou.

O modus operandi dos ataques era sempre o mesmo. Bill Cosby prometia a mulheres com ambições de ser atrizes que iria ser mentor das suas carreiras. Quando conseguia ficar a sós com as vítimas, Cosby arranja maneira de lhes dar comprimidos para ficarem inconscientes, afirmaram as testemunhas.

Cosby ficou famoso com o programa “The Bill Cosby Show”. Segundo o The Washigton Post, o júri composto por sete homens e cinco mulheres consideram que Cosby drogou Constand, uma mulher encarregada pela equipa de basquetebol da universidade de  Temple, onde Cosby se formou. Várias das vítimas afirmaram que após o ataque, o comediante as ameaçava para ficarem caladas.

O caso de Cosby é a primeira condenação após surgir o movimento #Metoo, em que várias mulheres e homens da indústria do entretenimento americano revelaram abusos sexuais por parte de celebridades ou nomes influentes do meio.