Rádio Observador

Estados Unidos da América

Bill Cosby foi condenado pelo crime de abuso sexual

O aclamado comediante americano de 80 anos, que ficou famoso por séries de televisão com o seu nome, foi considerado culpado por júri do estado da Pennsylvania.

Bill Cosby foi considerado, no passado, "o pai da América", devido ao papel de pai que interpretava nas séries de televisão

Getty Images

O comediante americano, que tem 80 anos, foi considerado culpado de todas as acusações por um júri do estado da Pennsylvania. Cosby estava acusado de violar 57 mulheres. Andrea Constand, de 45 anos, a primeira mulher a acusar o comediante e o nome que ficou associado à acusação (muitos dos casos tinham prescrito), tinha 30 anos quando Cosby, com 60, a abusou sexualmente.

As acusações a Cosby datam a dezembro de 2015, quando foi oficialmente acusado de três crimes de abuso sexual. O caso, inicialmente, pendia a favor do comediante por as acusações terem sido feito no limite da prescrição para poder ser acusado (a maioria dos atos datam ao início de 1980 e vão até 2004, com a acusação de Constand). Contudo, depois de dezenas de mulheres revelarem que que também tinham sofrido abusos, a opinião pública em relação a um dos mais influentes comediantes americanos mudou.

O modus operandi dos ataques era sempre o mesmo. Bill Cosby prometia a mulheres com ambições de ser atrizes que iria ser mentor das suas carreiras. Quando conseguia ficar a sós com as vítimas, Cosby arranja maneira de lhes dar comprimidos para ficarem inconscientes, afirmaram as testemunhas.

Cosby ficou famoso com o programa “The Bill Cosby Show”. Segundo o The Washigton Post, o júri composto por sete homens e cinco mulheres consideram que Cosby drogou Constand, uma mulher encarregada pela equipa de basquetebol da universidade de  Temple, onde Cosby se formou. Várias das vítimas afirmaram que após o ataque, o comediante as ameaçava para ficarem caladas.

O caso de Cosby é a primeira condenação após surgir o movimento #Metoo, em que várias mulheres e homens da indústria do entretenimento americano revelaram abusos sexuais por parte de celebridades ou nomes influentes do meio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
128

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)