Rádio Observador

Comissão Europeia

Comissão Europeia também desmente TGV. Comboio Évora-Mérida é de linha convencional

179

A Comissão Europeia desmente que esteja prestes a ser concretizada uma ligação de alta-velocidade entre Portugal e Espanha. O projeto segue na linha do que já estava aprovado: uma linha convencional.

BERND WEISSBROD/EPA

As cidades de Évora e Mérida não vão estar ligadas por uma linha de alta velocidade (habitualmente  designada por TGV). Depois do desmentido do Governo, a comissária Violeta Bulc publicou esta quinta-feira uma mensagem na conta oficial do Twitter para a área dos Transportes esclarecendo que o que está em causa é uma linha de transporte ferroviário “convencional”.

Através da conta EU Transport, a Comissão Europeia refere que a linha ibérica de comboio será feita através de uma “linha convencional” e não de uma estrutura que assegure, para já, o transporte de alta-velocidade. “Isto ajudará ao transporte de cargas a partir de Portugal e ao tráfego de passageiros entre Lisboa e Madrid”, refere a nota da Comissão Europeia.

Entretanto, Enrico Brivio, porta-voz da Comissão Europeia, disse que Bruxelas “felicita o compromisso renovado de Espanha e de Portugal para criar uma ligação ferroviária convencional entre Évora e Mérida” e que, “contrariamente a alguns relatos e alegações, a Comissão não exige que esta secção seja de alta velocidade”.

Mas há condições a que o projeto ferroviário teve de responder. Numa nota escrita enviada ao Observador, o porta-voz da Comissão explica que “o direito da União exige que a infraestrutura ferroviária principal da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T), à qual pertence a secção Évora-Mérida, cumpra determinados padrões de desempenho, incluindo a eletrificação total e a execução do Sistema Europeu de Gestão do Tráfego Ferroviário (ERTMS) e no que se refere ao comprimento dos comboios, à carga por eixo e à velocidade da linha”. Brivio defende que “é, agora, tempo para executar e produzir resultados”.

Ao início da manhã, a Agência Lusa dava conta de um tweet que estava prestes a ser publicado e que tornaria oficial o desenvolvimento de uma linha de TGV entre Portugal e Espanha. A informação teria sido confirmada num encontro com jornalistas por um elemento da Comissão Europeia — não citado — depois de uma reunião entre a comissária europeia dos Transportes, Violeta Bulc, e os ministros português e espanhol com essa tutela.

No final desse encontro, Bulc referiu-se a uma “reunião importante e especial com os ministros dos Transportes de França, Espanha e Portugal, que concordaram em avançar com os elos em falta [missing links] dos corredores e que, em especial, os corredores de mercadorias vão servir não apenas os países, mas as necessidades da União Europeia (UE)”.

O Governo foi o primeiro a desmentir a informação de que estava encaminhado o projeto de desenvolvimento do TGV. O ministro Pedro Marques garantiu que se trata de uma obras nos mesmos pressupostos em que já tinha aprovada — e anunciada. O “projeto inicialmente pensado teria três linhas, duas delas estariam dedicadas à alta velocidade de passageiros e uma à ferrovia de mercadorias”, mas a “linha que está em implementação agora, desse projeto maior, é a ferrovia de mercadorias”.

“É uma linha evidentemente de alto desempenho, que tornará o país como competitivo, nomeadamente os nossos portos na ligação a Espanha e na ligação europeia e é uma linha muito importante e muito prioritária para o país e absolutamente consensual no nosso país”, acrescentou o ministro, à margem da conferência sobre a rede de transporte transeuropeu, a decorrer na capital da Eslovénia, Liubliana.

[Texto atualizado às 16h30 com a posição do porta-voz da Comissão Europeia sobre o projeto ferroviário que ligará Évora a Mérida]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)