Sociedade

Investigadores científicos exigem contratos a ministro que diz que concursos serão abertos a tempo

Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior garantiu que a passagem a contrato de bolseiros de investigação científica acontecerá até ao fim de agosto deste ano.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 30 bolseiros de investigação científica confrontaram esta sexta-feira o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior com a demora na sua passagem a contrato, que Manuel Heitor garantiu que acontecerá até ao fim de agosto deste ano. “Nem pode haver outra hipótese”, afirmou o ministro aos jornalistas à saída de um simpósio no Instituto Tecnológico e Nuclear, na Bobadela, concelho de Loures.

Manuel Heitor dirigiu-se aos manifestantes para lhes dizer que vai reunir-se com eles e garantir que “todas as instituições abrem concursos em tempo devido”. O ministério da Ciência e Ensino Superior tem estado a “pressionar todas as instituições” que tutela para que promovam os concursos, que “demoram algum tempo” e que têm que estar resolvidos até ao fim de agosto.

Para Manuel Heitor, “abusou-se da figura do bolseiro” em Portugal e na Europa, uma situação em que não há benefícios sociais como subsídio de férias, Natal, e em que os descontos para a Segurança Social são voluntários. Os contratos não são definitivos, mas Manuel Heitor rejeitou que sejam outra forma de precariedade, apontando que duram em média seis anos, acima da média 3-4 anos que se verifica na Europa.

Uma das manifestantes e investigadora do Instituto Superior Técnico, Dulce Belo, afirmou que é precária há 16 anos e que nos últimos dois tem estado à espera da transformação da bolsa em contrato. “A diferença que faz é ter um emprego estável em vez de viver de bolsa em bolsa há mais de 15 anos”, disse à agência Lusa.

O programa de regularização dos vínculos precários da administração pública (Prevpap) está a deixar de fora “os doutores deste país”, afirmou, salientando que são “cientistas que orientam teses de doutoramento, gerem projetos e têm linhas de investigação”. “Se as universidades portuguesas estão nos ‘rankings’, também é devido a estas pessoas e aos artigos que publicam”, referiu.

A presidente da Associação de Bolseiros de Investigação Científica, Sandra Pereira, disse à Lusa que há pelo menos “2.000 bolseiros no regime transitório” à espera de ter contrato, uma parte dos cerca de 10.000 que “nunca vão ter uma reforma digna e estão há dezenas de anos no sistema”. “O ministro disse que quer três por cento do Produto Interno Bruto na ciência. Nós também queremos”, declarou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos
366

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)