Tribunais

Pasteleiro que recusou servir casal gay no Colorado apoiado pelo Supremo Tribunal

1.223

O pasteleiro foi condenado por uma comissão governamental. Agora, o Supremo Tribunal defende-o, argumentando que a comissão revelou "hostilidade à religião ou a pontos de vista religiosos".

Jack Phillips alegou que a sua liberdade religiosa permitia-lhe recusar fazer um bolo de casamento para um casal gay

BRENDAN SMIALOWSKI/AFP/Getty Images

O Supremo Tribunal norte-americano colocou-se do lado do pasteleiro do Colorado, Jack Phillips, no polémico caso que o opunha a uma comissão federal de direitos civis norte-americana. Esta agência governamental, independente, com membros republicanos e democratas e que tem como funções avaliar e pronunciar-se sobre casos que envolvam direitos individuais, condenara veementemente o pasteleiro por este ter recusado servir David Mullins e Charlie Craig, um casal gay que lhe encomendara um bolo de casamento em 2012. Phillips alegou que a sua liberdade de expressão e as suas crenças religiosas impediam-no de fazer o bolo.

No texto, muito crítico da forma como Phillips foi tratado pela agência federal, o Supremo Tribunal americano revela que esta comissão revelou uma “hostilidade clara e inadmissível” às motivações religiosas que fizeram o pasteleiro recusar servir David Mullins e Charlie Craig. Esta comissão “desvalorizou a fé” do pasteleiro, tratando-a como se fosse “desprezível” e “meramente retórica” e chegou mesmo a comparar o argumento do pasteleiro com outros utilizados para “defender a escravatura e o Holocausto”, aponta o acórdão.

A forma como esta comissão tratou o caso Phillips violou o dever do Estado, imposto pela Primeira Emenda, de não fazer leis e regulações tendo por base hostilidade à religião ou a pontos de vista religiosos. O governo (…) não pode impor regulações que são hostis às crenças religiosas dos cidadãos afetados e não pode agir julgando ou pressupondo que as crenças e práticas religiosas de alguém são ilegítimas”, refere o documento da decisão.

A decisão de condenação da posição da agência federal foi apoiada por sete juízes do Supremo Tribunal, cinco dos quais conservadores e dois liberais, tendo recebido oposição de outros dois juízes. O juiz Anthony Kennedy, que tem sido um acérrimo defensor dos direitos dos homossexuais mas também da liberdade de expressão individual, foi o autor do texto final. Neste, é referido ainda que a América “tem de reconhecer finalmente que as pessoas gays e os casais gays não podem ser tratados como proscritos ou seres inferiores em dignidade e valor”.

É preciso reconhecer que estas disputas devem ser resolvidas com tolerância, sem desrespeito indevido para com as crenças religiosas sinceras e sem sujeitar pessoas gays a indignidades quando procuram bens e serviços no mercado comum”, refere ainda o documento.

David Mullins e Charlie Craig dizem ter-se sentido discriminados quando, numa visita à pastelaria de Jack Phillips — a Masterpiece Cakeshop –, o pasteleiro recusou fazer-lhes um bolo de casamento personalizado, por discordar do casamento homossexual. Phillips alegou “liberdade religiosa” como argumento para a recusa. Na altura, o casamento homossexual ainda não era legal no Colorado. Mullins e Craig planeavam casar-se no estado do Massachusetts.

A decisão do Supremo Tribunal acontece depois de duas decisões em sentido contrário, uma de uma comissão de direitos civis e outra do tribunal do Colorado. Isto apesar de a posição do Supremo Tribunal não discorrer longamente sobre a disputa entre o pasteleiro e o casal gay, mas sobretudo sobre a forma como os seus argumentos foram destratados em anteriores decisões.

Em decisão anterior, o tribunal local do Colorado defendia, por exemplo, que a liberdade de expressão do pasteleiro “não foi violada” já que “o casal não discutiu sequer o tipo de bolo que queria” quando Jack Phillips anunciou a sua recusa, refere o The New York Times. Para o tribunal do Colorado, acresce que “as pessoas que vissem o bolo não o veriam como uma tomada de posição” do pasteleiro em favor do casamento homossexual. “Ele continuaria livre para dizer o que entendesse” sobre o assunto “em outros contextos.”

Em 2015, os donos de uma pastelaria do estado norte-americano de Oregon que se recusaram a fazer um bolo para um casamento entre duas mulheres foram condenados a pagar perto de 120 mil euros às queixosas. Os donos da pastelaria, no entanto, ainda não desistiram de contestar a decisão.

]Artigo atualizado às 19h05 do dia 04/06/2018]

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Justiça

Acabe-se com os tribunais administrativos, já!

João Luis Mota de Campos
595

Não é tolerável é manter em (des)funcionamento o actual sistema jurisdicional administrativo, que pode causar a alegria teórica de alguns mas é causador de um intenso prejuízo social e viola direitos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)