Eurogrupo

Acordo do Eurogrupo melhora sustentabilidade a longo prazo da dívida da Grécia

O acordo do último Eurogrupo para conclusão do terceiro resgate grego e as medidas de alívio da dívida "melhoram a sustentabilidade a longo prazo" da dívida pública da Grécia.

JENS BUETTNER/EPA

O acordo do último Eurogrupo para conclusão do terceiro resgate grego e as medidas de alívio da dívida “melhoram a sustentabilidade a longo prazo” da dívida pública da Grécia, considerou esta terça-feira a agência de notação Fitch.

“O panorama político na Grécia tornou-se mais estável ultimamente e o país melhorou as suas relações com os credores europeus. Estes desenvolvimentos reduzem o risco de grandes reversões a nível político”, afirma a agência numa nota de análise divulgada esta terça-feira.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/divida-publica-da-grecia/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”16″ slug=”divida-publica-da-grecia” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/divida-publica-da-grecia/thumbnail?version=1517309876245&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

Segundo a Fitch, a ‘almofada’ financeira com a qual o país pensa fazer frente às suas necessidades de financiamento até 2020 e a extensão dos empréstimos do segundo resgate facilitarão o regresso da Grécia aos mercados na era pós-memorando e reduzirão as dificuldades de refinanciamento.

Apesar destes sinais positivos, a agência de notação adverte que o compromisso de Atenas de manter um excedente primário de 3,5% até 2022 levantará “desafios políticos” no futuro e destaca que os atrasos no programa de privatizações podem travar a recuperação económica do país.

Entre as recomendações da Fitch está a atração de investimento privado, algo que considera “crítico” para impulsionar as perspetivas de crescimento.

Na nota divulgada, a agência recorda que, ao longo dos últimos oito anos em que esteve sob assistência financeira, a Grécia efetuou profundas reformas no seu sistema laboral, tributário, de Segurança Social, de pensões e na Administração Pública, tendo ainda feito privatizações, sérios ajustamentos fiscais e um saneamento do seu setor bancário, o que implicou grandes sacrifícios por parte da população grega. Como resultado, conseguiu passar de um cenário de recessão (em 2010 o Produto Interno Bruto — PIB caiu 5,5%) para um crescimento de 1,4% em 2017 e recuperar de um défice de 11,2% para um excedente de 0,8%.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/crescimento-na-ue/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”274″ slug=”crescimento-na-ue” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/crescimento-na-ue/thumbnail?version=1528472868739&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

Os analistas da Fitch assinalam ainda que a evolução grega está em linha com a previsão que fizeram na sua última avaliação, em fevereiro, na qual reviram em alta o ‘rating’ da dívida soberana grega de B- para B (ainda assim abaixo do nível de recomendação de investimento), com uma perspetiva positiva. A próxima avaliação da Fitch relativamente à Grécia está prevista para agosto.

Na segunda-feira, já a Standard & Poor’s (S&P) tinha melhorado a sua avaliação da dívida grega de B para B+, com perspetiva estável, destacando que a extensão da maturidade dos empréstimos gregos acordados na semana passada no Eurogrupo, associado à ‘almofada’ financeira com a qual o país fará frente às necessidades de financiamento até 2020, melhoraram o perfil da dívida do Estado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)