Economia

Comissão Europeia revê em baixa crescimento da economia portuguesa

102

Mau tempo no início do ano, aumento dos preços do petróleo e conjuntura externa menos favorável afetam desempenho da economia portuguesa e levaram Bruxelas a rever em baixa crescimento económico.

JULIEN WARNAND/EPA

A Comissão Europeia reviu em baixo o crescimento económico esperado para este ano para a economia portuguesa em uma décima, de 2,3% para 2,2%, explicando que este abrandamento se deve a fatores temporários como o mau tempo no primeiro trimestre, que afetou a construção e os portos, mas também ao aumento dos preços do petróleo que deve ter impacto sobre o consumo privado. Exportações portuguesas vão continuar a crescer, mas menos devido à conjuntura externa menos favorável.

O início do ano ficou aquém do esperado, com a economia a crescer apenas 2,1% no primeiro trimestre do ano em comparação com o mesmo período do ano passado, com as exportações a crescerem menos que o esperado. Parte deste resultado mais fraco que o esperado deve-se ao mau tempo que terá afetado às atividades ligadas à construção e os portos, fundamentais para as exportações portuguesas.

De acordo com a Comissão Europeia, nas previsões intercalares que divulgou esta quinta-feira, os dados mais recentes apontam para que a economia tenha começado a recuperar já no segundo trimestre deste ano, mas há fatores que irão afetar o desempenho no resto do ano, motivando uma revisão em baixa das previsões de Bruxelas para o crescimento económico este ano.

Entre estes fatores está o aumento dos preços do petróleo, que deverão ter impacto no bolso das famílias e assim moderar o consumo privado, tal como o abrandamento do ritmo de criação de emprego, que tem superado as expetativas (das autoridades portuguesas e internacionais) nos últimos dois anos.

Bruxelas antecipa também que o investimento na construção recupere da evolução no primeiro trimestre, mas a economia portuguesa deverá sofrer constrangimentos vindos de fora que vão limitar a sua capacidade de crescer ao ritmo que era esperado (2,3% por quase todas as organizações, incluindo o Governo).

De acordo com a Comissão Europeia, mesmo com as elevadas taxas de crescimento esperadas para as exportações e para as importações, a sua contribuição para o crescimento económico será menor que o esperado anteriormente porque a conjuntura externa é menos favorável. Os principais parceiros comerciais da economia portuguesa estão no mercado europeu e estes devem crescer menos.

Zona euro e União Europeia crescem menos 0,2% do PIB

Mesmo com este abrandamento, a economia portuguesa deverá continuar num trajeto de convergência para com a zona euro e com a União Europeia, que a Comissão antecipa que cresçam 2,1% este ano.

Em parte, a manutenção da convergência deve-se a uma revisão em baixa do crescimento tanto na área do euro como na União Europeia, que foi cortado em 0,2 pontos percentuais face à última estimativa, que foi feita em maio.

De acordo com o Executivo europeu, esta revisão também se deve a fatores temporários, mas o agravamento do contexto externo, derivado das tensões comerciais com os Estados Unidos, o maior parceiro comercial da União Europeia como um todo, também estará a afetar a atividade económica na Europa, tal como o aumento dos preços do petróleo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)