Polémica

A fotografia de Trump na poltrona de Churchill está a dar que falar

494

Donald Trump tirou uma fotografia sentado na poltrona que pertenceu ao antigo primeiro-ministro britânico Winston Churchill, mas houve quem não achasse uma boa ideia.

A imagem de Trump sentado na cadeira de Churchill foi publicada nas redes sociais pela porta-voz da Casa Branca

A visita de Donald Trump ao Reino Unido provocou vários protestos e a imagem do Presidente norte-americano sentado numa poltrona que pertenceu ao antigo primeiro-ministro britânico, Winston Churchill, não melhorou a situação.

Segundo a Associated Press, Trump jantou na quinta-feira no palácio de Blenheim — onde nasceu Churchill — com empresários e personalidades de vários setores e, na sexta-feira, esteve com Theresa May em Chequers Court, a casa de campo utilizada pelos primeiros-ministros britânicos desde os anos 20.

Foi em Chequers que o Presidente americano tirou uma fotografia sentado na poltrona de Churchill. A imagem foi depois partilhada por Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, na sua página de Twitter. Recorde-se que Trump é um admirador do antigo primeiro-ministro britânico, tendo mesmo voltado a colocar o busto de Churchill na Sala Oval, na Casa Branca, depois de tomar posse em 2017.

Mas houve quem não tivesse gostado da fotografia. O jornal britânico Daily Mirror fez mesmo capa com a imagem e escreveu “How dare you?” (“Como te atraves?”). “Insulta o nosso país, ataca o nosso SNS, envergonha a nossa Rainha, mina a nossa ‘relação especial’, humilha a nossa primeira-ministra… e depois posa presunçosamente na poltrona de Winston Churchill”, lê-se ainda na capa.

“Uma imagem de Donald Trump sentado na poltrona de Churchill vai ficar entalada na garganta de muitos britânicos que consideram Trump não só um dos piores presidentes na história dos Estados Unidos, mas também nem sequer digno de comparação com o nosso líder em tempo de guerra que salvou a nossa Nação na hora mais negra”, afirmou o deputado do Partido Trabalhista Stephen Doughty.

Já a deputada trabalhista Ruth Smeeth considerou que “tendo em conta as ações e retórica chocantes de Trump”, o Presidente norte-americano “nem sequer merece olhar para uma estátua de Churchill quanto mais sentar-se na sua cadeira”.

Outras pessoas reagiram à imagem nas redes sociais. “Churchill era um bom homem. Trump, nem por isso”, lê-se num tweet.

John Haltiwanger, jornalista de Política do Business Insider, cita o próprio Churchill na sua publicação: “Seria um desastre sem medidas se a barbárie russa se sobrepusesse à cultura e independência dos antigos Estados da Europa.”

Luke Zaleski escreve “The Darkest Hour”, numa referência ao filme “A Hora Mais Negra“, que retrata Churchill após a sua chegada ao poder em 1940.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Polémica

Capitalismo bom, Capitalismo mau

Telmo Azevedo Fernandes
122

Sempre que alguma entidade estatal tem por missão a protecção do consumidor, fico seriamente desconfiado se o resultado não será antes menor criação de riqueza e mais rendas para interesses instalados

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)