Crianças

Reino Unido. Crianças estão a ser usadas para espiar terroristas, traficantes de droga e gangues

O governo britânico admitiu o uso de crianças como informadores dentro de círculos criminosos. Desempenham “um valor vital nas investigações das autoridades públicas e podem adquirir provas cruciais".

Crianças estão a ser usadas pela polícia e pelos serviços secretos britânicos para espiar terroristas, traficantes de droga e gangues, admitiu o ministério do Interior do Reino Unido.

O governo inglês admitiu que o uso de jovens como “fontes de informação secreta” pode aumentar devido ao maior número de adolescentes a aderir a movimentos extremistas, gangues violentos e ao tráfico de droga.

Um relatório elaborado por um comité da Câmara dos Lordes levantou preocupações sobre as propostas do governo para estender o período – de um para quatro meses – de uso de informadores menores de idade.

“Achamos preocupante que um jovem possa participar em atividades secretas associadas a crimes graves por longos períodos de tempo”, afirmou o comité liderado por Lord Trefgarne, numa carta escrita a Ben Wallace, o ministro do Interior. Acrescentou que as crianças usadas nesta atividade podem, cada vez mais, enfrentar “riscos para a sua saúde física e mental”.

Para surpresa dos deputados, o Ministério do Interior britânico não forneceu dados quer sobre o número de jovens que atualmente desempenham funções de espionagem quer sobre a média de idades dos envolvidos.

A lei requer que os informadores até aos 16 anos sejam sempre acompanhados por um adulto “qualificado para representar os seus interesses”. Porém, as autoridades esperam que fontes com idades entre os 16 e os 18 anos desempenhem as suas funções sozinhas.

“Por muito que queiramos evitar o uso destas fontes, é possível que o seu uso resulte no impedimento de um crime”.

Ben Wallace respondeu ao comité, afirmando que estas fontes juvenis representam “um valor vital nas investigações das autoridades públicas e podem adquirir provas cruciais, impossíveis de ser obtidas por outros meios”.

Wallace sublinhou a importância destas fontes, particularmente no combate ao crime organizado: “Por muito que queiramos evitar o uso destas fontes jovens, é possível que o seu uso resulte no impedimento de um crime”.

Neil Woods, um antigo agente secreto que investigou o tráfico de droga por todo o Reino Unido, confessou que sabia do uso de crianças como fontes infiltradas, mas salientou que esses casos eram raros.

“Por exemplo”, explicou o ex-polícia, “pode ser bastante difícil adquirir provas contra gangues sem ter alguém infiltrado no meio deles. Informadores jovens conseguem dar uma nova visão sobre, por exemplo, como é que os criminosos mais novos comunicam entre si”.

O Governo garantiu entretanto que iriam proceder a melhoramentos nos regulamentos para que estas fontes tenham mais condições de segurança.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
3.311

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Crianças

Netos 5.0 sem birras? /premium

Laurinda Alves
590

Não sei se já repararam que hoje as crianças fazem menos birras fora de casa. Sempre que uma vai abrir a boca para gritar, chorar ou pedinchar alguma coisa, basta dar-lhe um telemóvel para a entreter.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)