Rádio Observador

México

103 passageiros sobrevivem a queda de avião no México

703

Um voo com destino à Cidade do México despenhou-se pouco depois de descolar, mas quase todos os 103 passageiros saíram do avião pelo seu próprio pé. Não há mortos. Há 49 pessoas hospitalizadas.

As 103 pessoas que seguiam a bordo do avião que se despenhou esta terça-feira no México sobreviveram, confirmou o governador de Durango, José Aispuro, numa conferência de imprensa. O voo comercial, da companhia aérea mexicana Aeromexico, partiu do Estado de Durango em direção à Cidade do México mas despenhou-se pouco depois da descolagem, a 300 metros da pista. Não há registo de mortos, mas sim de 85 feridos ligeiros e dois graves.

O acidente terá ocorrido pelas 22h de Lisboa e terá sido motivado por uma súbita rajada de vento, que provocou uma descida brusca da aeronave. O governador de Durango informou que já todos os passageiros tinham sido localizados. “O mais importante é que nenhuma pessoa perdeu a vida”. O piloto é o ferido que está numa situação considerada mais crítica, embora estável. Estava a ser submetido a uma operação a uma lesão cervical. Depois de 98 pessoas terem passado por um serviço hospitalar para serem observadas, às 3 da manhã (hora de Lisboa) havia ainda 49 passageiros hospitalizados, embora seja expectável que a maioria tenha apenas ferimentos ligeiros, segundo o governador.

O diretor da agência de defesa civil da cidade de Durango, Israel Solano Mejia, disse à Foro TV que o avião “levantou do chão, mas caiu de nariz” a apenas algumas centenas de metros do fim da pista. “A maioria dos passageiros deixou o avião pelo seu próprio pé” pelas mangas de evacuação, revelou Mejia.

O avião foi evacuado antes de se incendiar. A maioria dos passageiros conseguiu sair rapidamente pelo seu próprio pé. Entre as 103 pessoas a bordo, quatro eram tripulantes e 99 passageiros, incluindo-se 11 menores. A Aeroméxico informou em conferência de imprensa que iria transportar gratuitamente os familiares dos passageiros feridos, para os poderem acompanhar.

O governador referiu que uma rajada de vento atingiu o avião pouco depois de descolar, fazendo com que a aeronave perdesse velocidade e atingisse o solo com a asa esquerda, atingindo ambos os motores. O avião imobilizou-se na posição horizontal, o que permitiu que as saídas de emergência laterais fossem utilizadas e que todos os passageiros e tripulantes pudessem escapar antes do incêndio que deflagrou no seu interior.

De acordo com o site Planespotters.net, o Embraer 190 — avião de médio alcance fabricado no Brasil — tinha cerca de 10 anos de idade e já tinha pertencido a outras duas companhias aéreas antes de integrar a frota da Aeromexico em 2014. A Reuters refere que esta companhia aérea não regista nenhuma fatalidade há uma década.

No ano passado, ocorreram 66 acidentes e 173 incidentes com aviões no país. Os números são avançados pela associação de pilotos do México, que considerou que este número é “preocupante” e pediu mais supervisão das escolas de voo, mais fundos para manutenção supervisão das frotas e menos horas de voo para os pilotos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)