Rádio Observador

Tecnologia

IFA 2018. O que esperar do maior evento de tecnologia europeu

É em Berlim que as empresas de eletrónica de consumo vão apresentar as novidades para o próximo ano: computadores, smartphones, eletrodomésticos, televisões e até robôs. Há de tudo.

A IFA decorre em Berlim de 31 de agosto até 5 de setembro. Este ano uma das novidades é este exoesqueleto da LG

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

A IFA (Internationale Funkausstellung Berlin) é um dos maiores eventos de eletrónica de consumo do mundo. Não é só um evento grande, como é antigo: a primeira edição ocorreu em 1924, em Berlim, cidade que continua a acolher o evento. A maior concorrente direta é a feira de tecnologia CES (Consumer Electronic Show), que se realiza em Las Vegas no início de cada ano. Mas qual é o objetivo da IFA? Mostrar as últimas novidades tecnológicas a distribuidores e clientes. Nos cerca de 160 mil metros quadrados que a feira ocupa, há de tudo: de máquinas de lavar a roupa a smartphones, não há aparelho que não tenha uma novidade. Em Berlim, marcam presença as principais empresas de tecnologia do mundo.

Destacamos seis áreas a ter em atenção para a edição deste ano. Nos próximos dias, o Observador vai estar em Berlim a acompanhar os vários anúncios e notícias das principais tecnológicas.

4k já era, agora é o tempo do 8K

Plasmas e LCD? Esses, já lá vão. É o tempo dos “QLED” e dos “OLED” que elevam a alta definição a novos patamares. Os ecrãs 4k ainda agora estão a entrar no mercado e uma das principais novidades da IFA 2018 já são os ecrãs 8K. Não é preciso ficar confuso, a lógica continua a ser a mesma: um número maior significa maior qualidade de imagem nos ecrãs. Ou seja, é tudo mais bonito e nítido, desde que a imagem tenha sido gravada para poder ter esta qualidade (apesar de as marcas afirmarem que os produtos que já disponibilizam melhoram os conteúdos, mesmo em 4K).

O primeiro OLED de 88 polegadas 8K em exposição no stand da LG na IFA

A guerra desta nova definição de imagem, para já, é apenas sul-coreana, com a Samsung e a LG a apresentarem modelos de ecrãs 8K, o QLED e os OLED, respetivamente. Do que já experimentámos da LG, são melhores. Mas ao lado destes equipamentos, a permitir esta comparação, estavam televisões 4K. Estas últimas, sozinhas e sem modelos melhores ao lado, já são o suficiente para deixar qualquer um boquiaberto. Porque é que dizemos isto? É que a LG, para já, “não tem planos para lançar” estes ecrãs, nem revela preços. Já a Samsung, em comunicado, diz que a televisão Q900R vai estar “disponível em Portugal a partir de Outubro”. O preço? Não é revelado. Contudo, se seguir a tendência dos televisores 4k com as polegadas deste modelo (65, 75, 82 e 85), rondará os muitos milhares de euros.

Robôs, muitos robôs (e “exoesqueletos”)

Se há coisa que não pode faltar numa feira ligada à tecnologia é robôs. Pequenos, grandes e para todos os gostos e feitios. Um robô para receber simpaticamente viajantes no aeroporto em vez de um ecrã despersonalizado? Há. Um robô para lavar o chão? Há. Um robô para cortar a relva? Há. E pode vê-los todos na fotogaleria abaixo. E o melhor é que nenhum destes ajudantes robóticos parece querer conquistar o mundo aos humanos.

Para quem não tem medo da tecnologia, há um produto que tem chamado especial atenção este ano na IFA. É um wearable [tecnologia que se veste] robô. Chama-se LG CLOi SuitBot e a definição mais correta para o descrever é “exoesqueleto”. É como uma segunda camada de ossos que permite a quem o utiliza carregar, sem esforço, material pesado, andar mais rapidamente e até sentar-se em qualquer lugar. O Suitbot vai estar disponível para o setor comercial e industrial e é focado para o trabalho em armazéns e fábricas. Esta sexta-feira, espera-se que seja visto em operação na conferência de inauguração da IFA.

Outras empresas, como a Sony, estão a mostrar também novidades neste novo mercado robótico, com o Xperia Agent. Um robô que se conecta aos eletrodomésticos da casa e manda fazer o café para que quando acorde esteja pronto. Mas é um protótipo e ainda não está disponível.

Coisas da Internet das Coisas

IoT, ou “Internet of Things” (Internet das Coisas) é o termo bonito para referir a interconectividade pela e com a Internet entre dispositivos eletrónicos. Pense num frigorífico com acesso ao Twitter, que se liga a um smartphone para dizer que comida tem para o jantar. Sendo a IFA a maior feira do mundo de eletrónica de consumo, na qual vê desde máquinas de lavar a roupa a smartphones, esta é a forma como as empresas querem interligar todos os produtos.

Armários que mantêm a roupa sem rugas e cheiro para o momento em que sai do banho, máquinas de lavar e secar a roupa que avisam o smartphone quando acaba o programa e lâmpadas como as Hue, da Philips, que são controladas com a voz. Raro é o produto que é apresentado nesta feira que não permite ligação à Internet e a outras coisas, para facilitar o dia a dia (desde que tenha dinheiro para adquirir um armário inteligente que abana a roupa para que não tenha rugas).

Som, som. Teste, teste. Aqui há colunas

A IFA mostra as principais tendências do mercado tecnológico e as assistentes digitais são, atualmente, uma das mais relevantes. As colunas inteligente Echo, da Amazon, e a sua assistente Alexa ou as colunas Google Home, não são novidade. Mas este ano, na IFA, há uma nova prova da aposta neste mercado: várias empresas terceiras estão a aproveitar a tecnologia das assistentes de inteligência artificial controladas pela voz da Google e da Amazon para apresentarem novos produtos neste ramo. É o caso de empresas como a Sony, a JBL, a Seinheiser ou a Bose, que vão marcar presença nesta feira para apresentar novos produtos.

Realidade virtual ou aumentada? As duas e mista

Os Oculus Rift, da Oculus (que é detida pelo Facebook) e os HTC Vive, da Valve e da HTC, ainda podem ser os equipamentos de realidade virtual mais conhecidos no mercado, mas há outras empresas que têm aproveitado a IFA para apresentar óculos de realidade virtual. Enquanto a tecnologia de realidade aumentada (imagens digitais que, através de óculos especiais, se sobrepõem às reais como se fossem um holograma) continua a dar os primeiros passos, há várias tecnológicas a apostarem em equipamentos que juntam os dois conceitos. No final, há novos óculos na IFA para todos os gostos.

A Epson já revelou que vai apresentar os Moverio BT-35E, os novos óculos de realidade aumentada da empresa (ou “smartglasses”, óculos inteligentes). A Acer, numa conferência de impressa pré-IFA, anunciou os OJO 500, os novos óculos de realidade mista (são de realidade virtual mas, como têm câmaras frontais, conseguem replicar o local onde o utilizador está e simular uma experiência de realidade aumentada). Outras empresas, como a Lenovo, que recentemente apresentou os Lenovo Mirage Solo (um concorrente dos Oculus Go), vão divulgar os próximos passos no investimento destas tecnologias.

E tudo o resto: de gadgets a projetores, passando por smartphones e muitos computadores

Na IFA, é impossível contar os produtos que estão disponíveis em dezenas de pavilhões. Numa altura em que o que não falta são novos relógios inteligentes, smartphones, portáteis e ecrãs para todas as funções e feitios, as tecnológicas estão a continuar a inovar e a melhorar os produtos que têm no mercado.

A Blackberry vai, (provavelmente, segundo o The Verge) apresentar um novo smartphone de gama média, o Key 2. A LG está a apresentar vários modelos dos smartphones mais recentes, que utilizam a inteligência artificial da marca para mais eficiência, a ThinQ. A Nokia, detida pela HMD, também está presente com smartphones, mas não se sabe se anunciará novos modelos. A Huawei, que já é a maior fabricante de smartphones, atrás da Samsung, vai apresentar o portefólio de produtos que tem vindo a divulgar durante o ano e, muito possivelmente, as novidades neste mercado.

Já a Sony, além de televisões e robôs, também pode apresentar novos modelos dos smartphone Xperia. A Dell já anunciou que vai lançar novos portáteis Inspiron e um novo modelo de portátil baseado no Chrome OS, o sistema operativo da Google. Além disso, a Dell também tem apostado em monitores para trabalho e videojogos. No mundo dos videojogos, as principais empresas do mercado também estão a apresentar novos computadores. A Acer, por exemplo, tem o Predator Orion 900 (pelo nome basta dizer que é rápido e caro) e Asus também tem novidades. Todas querem marcar presença e mostrar novos modelos destes produtos e de outros, como projetores 4K e relógios inteligentes.

Em suma, para quem acompanha o mercado de eletrónica de produto, de projetores a smartwatches, o que não vão faltar nos próximos dias são novidades.

*O Observador está em Berlim, na IFA, a convite da LG Portugal

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)