Rádio Observador

Casamento

Proposta de novo prazo para casamento após divórcio está parada por falta de apoio

O PS, BE e PAN querem acabar com o prazo que obriga homens a esperar 180 dias e mulheres 300 após dissolução de um matrimónio para poderem casar novamente, mas proposta está parada há mais de um ano.

O prazo internupcial é de 180 dias para os homens e de 300 dias para as mulheres.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O PS, BE e PAN querem acabar com o prazo internupcial previsto na lei. A proposta conjunta foi apresentada na Assembleia da República em julho de 2017, mas está parada porque corre o risco de não reunir os votos necessários para conseguir maioria na votação.

A lei — que consta do Código Civil desde 1966 — prevê que, após a dissolução do matrimónio, os homens só podem casar após 180 dias. O prazo para as mulheres é de 300 dias, mas pode ser reduzido a 180 mediante a apresentação de um atestado médico que comprove que a mulher não está grávida.

O prazo internupcial é válido em caso de divórcio ou viuvez e pretende defender a presunção de paternidade. Segundo a legislação portuguesa, “o filho nascido ou concebido na constância do matrimónio tem como pai o marido da mãe”. Assim, a aplicação do prazo tem como objetivo evitar dúvidas sobre a paternidade de filhos nascidos após fim do casamento.

É neste ponto que o PCP não concorda com a restante esquerda parlamentarSegundo o Diário de Notícias, o partido comunista não considera que o fim do prazo internupcial não tem “nenhuma vantagem relevante”. “Não vemos vantagem nenhuma em obrigar uma mãe casada a ter de declarar quem é o pai do seu filho quando isso hoje está resolvido com uma presunção legal”, argumentou o deputado António Filipe, aquando da discussão parlamentar. O PSD e CDS também não demonstraram apoio, mas os sociais-democratas dizem que considerariam a hipótese caso esta fosse melhorada.

No entanto, a proposta conjunta não quer alterar este artigo, mas sim acrescentar uma alínea — “a presunção referida no número anterior é afastada nos casos em que, tendo cessado casamento anterior, não tenham ainda decorrido sobre essa data trezentos dias”. Os partidos consideram que a limitação deixou de fazer sentido, uma vez que a presunção de paternidade já não se aplica à maioria dos nascimentos em Portugal, uma vez que a maioria das crianças nasce fora do casamento. PS, BE e PAN argumentam ainda que esta lei é discriminatória ao definir prazos diferentes segundo o género.

Este argumento é apoiado pelo parecer da Procuradoria Geral da República (PGR) que foi entregue juntamente com a proposta. A PGR considera o prazo internupcial como um “autêntico constrangimento discriminatório e, como tal, injustificado e inadmissível”, argumentando que existem “uma série de mecanismos médico-legais que permitem a aferição rigorosa da paternidade”. E conclui que a alteração proposta não entra em conflito com as regras em vigor referentes à presunção de paternidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)