Brett Kavanaugh, o juiz conservador que Donald Trump nomeou para o Supremo Tribunal, vai ser ouvido pela comissão judicial do Senado norte-americano já na próxima segunda-feira, dia 24, por causa das acusações de abuso sexual. Também Christine Blasey Ford, a alegada vítima, vai comparecer perante os senadores. A decisão foi anunciada depois de ambos terem feito saber que estavam disponíveis para testemunharem perante o Congresso, escreve o jornal The New York Times.

Christine Blasey Ford acusa o juiz de a ter prendido a uma cama e de lhe ter tentado tirar a roupa numa festa, quando ambos eram adolescentes (tinham 15 e 17 anos, respetivamente). Blasey escreveu uma carta  à senadora democrata Dianne Feinstein, com o relato do sucedido. A acusação foi conhecida na semana passada, mas a identidade da alegada vítima só foi revelada este domingo. Agora, ambos vão falar, na primeira pessoa, sobre o que aconteceu.

Ex-colega de Brett Kavanaugh no liceu acusa o juiz nomeado por Trump de abuso sexual

Kavanaugh tem negado todas as acusações. Num comunicado divulgado esta segunda-feira, o juiz disse nunca ter feito a ninguém nada daquilo que é descrito. “Isso nunca aconteceu, não fazia ideia de quem estava a fazer a acusação até ela se ter identificado”. No mesmo dia, um porta-voz da Casa Branca fez saber que o magistrado desejava “limpar o seu nome destas alegações falsas” e que estava pronto para testemunhar assim que o Senado estivesse pronto.

Também Kellyane Conway, conselheira de Donald Trump, tinha admitido que já tinha falado com o presidente e com membros da comissão judicial do Senado, e garantindo que a mulher em questão não ia ser “ignorada”.

As audições obrigaram ao adiamento da votação do nome do juiz para o Supremo Tribunal, marcada para quinta-feira. Esse era, aliás, o pedido dos senadores os democratas que, na sequência do escândalo, insistiam que a votação da escolha de Donald Trump fosse adiada até o caso estar esclarecido. Esta segunda-feira, o próprio Trump saiu em defesa do juiz, mas admitia já que a votação não pudesse ser feita na data prevista.

Em julho deste ano, Donald Trump anunciou que iria nomear Brett Kavanaugh como substituto do juiz Anthony Kennedy, de 81 anos — que vai reformar-se –, no Supremo Tribunal. “Hoje tenho a honra e o privilégio de anunciar a nomeação para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos de Brett Kavanaugh”, um juiz com “credenciais impecáveis”, declarou Trump.