Rádio Observador

Crime

Um casal americano é suspeito de drogar e violar centenas de mulheres

Ele é cirurgião, ela a sua namorada. Abordavam as mulheres em bares e restaurantes, levavam-nas para casa onde depois as drogavam e violavam. Só há duas denúncias, mas dezenas de vídeos.

Um casal americano foi acusado de usar drogas para abusar sexualmente de duas mulheres, na Califórnia. Apesar de existirem apenas duas denúncias, as autoridades temem que possam estar envolvidas centenas de mulheres.

O cirurgião Grant William Robicheaux, de 38 anos, e a sua namorada, Cerissa Laura Riley, de 31, atacaram alegadamente duas mulheres que conheceram num bar e num restaurante, em 2016. O perfil do casal era o ‘ideal’: vestiam-se bem e comportavam-se educadamente, mas tudo era pensado estrategicamente para seduzir as mulheres-alvo, que a seguir se tornavam as suas vítimas. Ambos negam a acusação.

Segundo o comunicado do procurador do distrito de Orange, Tony Rackauckas, o modus operandi do casal consistia na aproximação de Riley às suas vítimas no bar ou no restaurante, onde criava com elas a empatia necessária de modo a que pudesse apresentar logo de seguida o seu namorado.

Num dos casos pelos quais foram acusados, conheceram uma mulher de 32 anos num restaurante e, estabelecida a ‘confiança’, convidaram-na para uma festa e drogaram-na. De seguida, levaram a vítima para o seu apartamento e violaram-na.

Além de ser um cirurgião ortopédico, Robicheaux é também conhecido por ter participado num reality show, o Online Dating Rituals of the American Male, em 2014.

O casal tem pela frente cerca de quarenta anos de prisão, se efetivamente se provar que os crimes são da sua autoria. Nas buscas à sua casa, em Newport Beach, na Califórnia (a 70 quilómetros de Los Angeles), as autoridades encontraram diversos vídeos de possíveis vítimas nos seus telemóveis, e uma enorme quantidade de droga, como cogumelos psicadélicos, ecstasy, cocaína e GHB (a droga das violações). Nos vídeos encontrados, as vítimas apresentam-se inconscientes, sem qualquer capacidade de reação.

A estas acusações junta-se a posse de duas armas semiautomáticas não registadas e quatro outras armas de fogo.

Segundo Rackauckas, apesar de não dar detalhes sobre os casos, a polícia chegou a receber vários vídeos que contêm imagens da violação sexual de mulheres.

A acusação está marcada para o dia 25 de outubro, no Centro de Justiça de Harbor de Newport Beach, na Califórnia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)