Hospitais

Ministro reconhece que “há hospitais a trabalhar nos limites”

O ministro da Saúde reconheceu que "há hospitais a trabalhar nos limites", com profissionais a "fazer um enorme esforço", mas considerou que o Governo está "na trajetória correta".

MARIO CRUZ/LUSA

O ministro da Saúde reconheceu esta sexta-feira que “há hospitais a trabalhar nos limites”, com profissionais a “fazer um enorme esforço”, mas considerou que o Governo está “na trajetória correta”.

Na comissão parlamentar da Saúde, o ministro Adalberto Campos Fernandes foi confrontado pelos vários partidos com as dificuldades sentidas por profissionais e utentes no Serviço Nacional de Saúde.

O ministro admitiu que “há hospitais a trabalhar nos limites”, incluindo unidades da Grande Lisboa, que conta “com o esforço e a dedicação” dos profissionais. “Estamos a trabalhar em muitos hospitais com um enorme esforço dos profissionais. Nunca, em nenhuma circunstância me afastei dos profissionais e sei bem do esforço que é feito no terreno”, indicou Campos Fernandes, depois de o PSD ter acusado o ministro de negar a realidade que se vive nas unidades do SNS.

O governante insistiu que já há no SNS mais de nove mil profissionais do que quando o atual Governo entrou em funções, no entanto, assumiu que o “número de profissionais ainda não é suficiente”. “Mas estamos na trajetória correta”, considerou.

Quanto às demissões de diretores e chefias médicas em vários hospitais, Adalberto Campos Fernandes considerou-as como “um sinal que deve ser tido em conta”, porque “sinalizam uma preocupação destes médicos”. Mesmo em relação às demissões de várias chefias no Centro Hospitalar de Gaia/Espinho, o ministro entendeu-a como “um sinal claro de alerta”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)