Rádio Observador

Cristiano Ronaldo

Advogados da mulher que acusa Ronaldo de violação: “O movimento #MeToo deu coragem a Kathryn”

663

Os advogados que representam a mulher que acusa Cristiano Ronaldo de violação num hotel em Las Vegas há nove anos, explicaram em conferência de imprensa porque decidiram agora reabrir o caso.

“O movimento #MeToo e as mulheres que falaram e expuseram os seus abusos deram a Kathryn muita coragem”. Foi assim que o advogado Leslie Mark Stovall, que defende a mulher que acusa Cristiano Ronaldo de violação num caso que terá ocorrido há nove anos num hotel em Las Vegas, explicou esta quarta-feira à noite em conferência de imprensa as razões que o levou a pedir a reabertura do processo e a identificar o jogador português como o protagonista dos abusos sofridos pela agora professora.

Stovall explicou aos jornalistas que depois do abuso sexual, que terá ocorrido em 2009, Kathryn Mayorga teve “medo da exposição pública e de ser caracterizada como alguém que se envolveu em sexo consentido e que depois quer fazer dinheiro”. Depois de o acordo de confidencialidade ter sido assinado, “ela continuou com essas preocupações, mas acreditava que o acordo lhe tinha sido imposto” pela equipa jurídica de Cristiano Ronaldo. “A decisão de continuar com este caso é, de certa forma, importante, porque ela se está a defender”, disse Stovall, encorajando outras mulheres a fazer o mesmo.

Explicando que a mulher sofreu de stress pós-traumático e depressão, o advogado que defende Kathryn explicou que vai pedir em tribunal uma indemnização que terá em conta não apenas os danos causados, físicos e emocionais, mas também com base na perda de rendimentos da mulher, nas despesas médicas e ainda penalidades estatutárias. Aqui, inclui-se a questão do dolo. Se o júri considerar que as ações de Ronaldo foram cometidas com dolo, pode aumentar a indemnização, com o objetivo de impor uma punição financeira.

Recorde-se que, além de ter apresentado novos elementos à polícia, que foram acrescentados à queixa que já tinha apresentado em 2009, a defesa de Kathryn avançou com uma ação cível na justiça do estado do Nevada com o objetivo de anular o acordo de confidencialidade que terá sido forçada a assinar. Segundo explicou a equipa de advogados esta quarta-feira, o processo movido contra Ronaldo inclui 11 alegações, incluindo abuso sexual, coação e fraude, abuso de pessoa vulnerável, chantagem, conspiração, difamação, negligência e ainda a intenção de declarar nulo o acordo de confidencialidade. A equipa de defesa argumenta que Kathryn não estava em condições psicológicas para a negociação e que foi coagida a assinar o acordo. “Se, de facto, o tribunal considerar que Kathryn não tinha capacidade para assinar o acordo, então o acordo não é válido”, explicou Stovall.

O advogado mostrou-se também surpreendido pelo facto de, em 2009, a polícia de Las Vegas não ter dado seguimento à investigação depois de ter ouvido a queixa de Kathryn e garantiu que “não é verdade” que a mulher não tenha revelado a identidade do jogador naquele ano. Duas semanas depois dos abusos, a mulher falou novamente com a polícia e “identificou Cristiano Ronaldo como a pessoa que a tinha violado”, garantiu o advogado.

Os novos elementos (as provas que foram entregues à polícia e o novo processo movido em tribunal) foram entregues entre o final de agosto e o início de setembro deste ano. Os advogados que defendem a mulher enviaram também uma intimação para Cristiano Ronaldo. Mas, desde esse momento, ainda não receberam nenhuma resposta da parte da equipa jurídica do jogador, explicou Stovall.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)