O co-fundador da Microsoft Paul Allen morreu esta segunda-feira vítima de complicações derivadas de um cancro linfático, mais concretamente um linfoma não-Hodgkin, informou a Vulcan Inc. (a empresa de Allen) em nome da família do empresário.

O parceiro de Bill Gates morreu em Seattle com 65 anos. A sua irmã, Jody, descreveu-o como um “indivíduo impressionante a todos os níveis”.

“Apesar de muitos conhecerem Paul Allen como informático e filantropo, para nós ele era um amado irmão e tio, um amigo excecional. A sua família e amigos viveram abençoados pela sua sagacidade, calor, generosidade e profunda preocupação”, acrescentou ainda. “Apesar de sua exigente agenda, ele encontrava sempre tempo para a família e amigos. Neste momento de perda e luto para nós — e muitos outros –, estamos profundamente gratos pelo cuidado e carinho que demonstrava todos os dias”.

No início deste mês de outubro, Allen anunciou que tinha começado a ser tratado por causa de um linfoma não-Hodgkin, o mesmo tipo que cancro que tinha ultrapassado  há nove anos. O CEO da Microsoft abandonou o cargo quando foi diagnosticado com a doença pela primeira vez.

O atual CEO da Microsoft, Satya Nadella disse que Allen continuava a fazer “indispensáveis” contribuições à empresa de tecnologia e a toda a industria da informática. Nadella referiu também que aprendeu bastante com Allen e que vai continuar a sentir-se inspirado por ele.

“Como co-fundador da Microsoft, na sua maneira sossegada e persistente, criou produtos mágicos, experiências e instituições, e ao fazê-lo, mudou o mundo.”, concluiu Nadella.

Allen era também um dos homens mais ricos do mundo. Atualmente ocupava a 44ª posição no ranking de bilionários de 2018 da revista Forbes, tendo um valor estimado de mais de 20 mil milhões de dólares. Era também o proprietário da equipa da NBA Portland Trail Blazers, dos Seattle Seahawks (NFL) e detinha uma posição no painel de administradores da equipa de futebol Seattle Sounders.

Bill e Paul

Paul Allen e Bill Gates Allencriaram a Microsoft em 1975, mas a grande oportunidade da empresa surgiu em 1980, quando a IBM decidiu apostar em “computadores pessoais” (“Personal Computers”, em inglês, daí a sigla PC). Foi nesta altura que a IBM pediu à Microsoft para criar o sistema operativo das suas máquinas.

A decisão impulsionou a Microsoft rumo ao trono da tecnologia mundial e os dois naturais de Seattle tornaram-se multi-milionários. Ambos acabaram por se dedicar à filantropia.

Ao longo de várias décadas, Allen doou mais de 2 mil milhões de dólares a várias instituições, sendo algumas delas associadas à preservação dos oceanos, aos sem-abrigo e à investigação científica.

Allen e Gates democratizaram a utilização do computador, que até então pertencia ao domínio dos amadores mais curiosos. Quando a Microsoft foi criada, estas máquinas eram conhecidas como “microcomputadores”, para contrastar com os massivos aparelhos que que, na altura, podiam ocupar um quarto inteiro. Foi Allen quem inventou o nome da empresa, chamando-lhe Micro-Soft, software para computadores mais pequenos.