Rádio Observador

Orçamento do Estado

Carbono mais caro vai fazer subir preço dos combustíveis em 2019

281

Escalada do preço do CO2 no mercado europeu vai fazer subir taxa de carbono cobrada nos combustíveis em 2019. Efeito é superior a um cêntimo por litro. Governo prevê receber mais 211 milhões no ISP.

NUNO VEIGA/LUSA

Não é propriamente um aumento de imposto, mas na prática o efeito é o mesmo. A taxa de carbono cobrada sobre os combustíveis vai aumentar em 2019. Não porque o Governo tenha tomado uma decisão nesse sentido, mas porque o valor desta taxa criada em 2014 está indexado ao preço dos leilões das licenças de emissão de CO2 (dióxido de carbono) no mercado europeu do carbono. E como estas cotações têm estado a subir há vários meses, já atingiram o preço mais alto desde 2008, a taxa cobrada junto do imposto sobre os produtos petrolíferos vai crescer no próximo ano. O impacto no preço final deverá ser superior a um cêntimo por litro.

Mas se esta subida da taxa de carbono reflete uma variação do mercado internacional de CO2, cujos preços estão próximos dos 20 euros por tonelada, mais do dobro do registado há um ano, a proposta de Orçamento do Estado não é neutra em relação a este impacto. Pelo contrário, há uma alteração proposta ao código dos impostos especiais do consumo que irá ampliar este efeito. Isto porque é proposta a alteração do período temporal que serve de referência a este cálculo. Em vez de a taxa ser calculada a partir da média aritmética do preço resultante dos leilões de licenças entre junho do ano passado e julho deste ano, passa a refletir a média do preço verificado entre final de setembro do ano passado e 1 de outubro deste ano. E quem acompanha de perto o mercado de licenças de CO2 sabe que esta mudança vai apanhar o período temporal em que os preços estiveram mais altos, o que puxará para cima o valor da taxa do carbono.

Evolução do preço das licenças de CO2 no mercado europeu no último ano

Se comparamos as médias de preços verificadas nestes dois períodos temporais, verificamos que a alteração que o Governo quer fazer fará com que o valor médio das licenças de CO2 passe de 9,4 euros para 12,7 euros por tonelada.

A proposta de Orçamento do Estado prevê que a receita do imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) cresça 211 milhões de euros em 2019, ou seja, mais 6% do que este ano, “maioritariamente justificada pela evolução da taxa de carbono”. O Observador sabe que uma parte do acréscimo da receita vem da estimativa de mais consumo, mas a fatia mais relevante, como aliás reconhece o Governo na proposta, virá da taxa de carbono. E se o CO2 vai dar mais dinheiro ao Estado, a fatura será suportada pelos contribuintes que pagam esta taxa de carbono, empresas produtoras de eletricidade que usam combustíveis, mas também automobilistas. O aumento da taxa de carbono vai ser pago pelos consumidores, porque faz parte dos imposto especiais sobre o consumo, como refere ao Observador o secretário-geral da APETRO (Associação Portuguesa das Empresas Petrolíferas), António Comprido.

O Observador sabe que as contas já feitas apontam para um impacto superior a um cêntimo por litro, próximo de 1,5 cêntimos, de gasolina e de gasóleo. Isto no primeiro ano em que este Governo não propõe uma atualização do ISP.

O imposto petrolífero tem sido um dos temas mais polémicos da política fiscal do atual Executivo e gerou mesmo um aceso debate no início do verão quando o CDS quase conseguiu fazer passar no Parlamento um projeto-lei para eliminar o aumento do imposto de seis cêntimos introduzido em 2016, com o argumento de que servia para compensar a perda na cobrança do IVA provocada pela descida do preço dos combustíveis. Com o petróleo ao nível mais alto dos últimos quatro anos e os preços a subir, os partidos à direita têm exigido a eliminação do que chamam de adicional do ISP. Um tema que, apesar de ausente da proposta orçamental e das negociações com a esquerda, deverá voltar a estar em cima da mesa na discussão do OE.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)