Mudança da Hora

Mudança da hora. Sim ou não ao fuso horário único?

521

A Comissão Europeia propôs o fim da mudança de hora, António Costa garantiu que fica tudo como está. Qual a melhor solução? Ouvimos os especialistas e percebemos que o tema está longe do consenso.

Hora muda este fim de semana, de sábado para domingo

[Este artigo foi originalmente publicado a 26 de outubro de 2018, na véspera do tradicional atraso dos relógios para o horário de inverno e quando o fim da mudança da hora ainda estava a ser debatido. É republicado esta terça-feira, 26 de março de 2019, depois de o Parlamento Europeu ter aprovado o fuso único na UE a partir de 2021.]

Duas vezes por ano, o ritual repete-se: damos corda aos ponteiros do relógio, ora para se atrasarem, ora para se adiantarem uma hora. Está prestes a acontecer de novo na madrugada deste domingo — e já se repetem os alertas que lembram que às 2h00 passa a ser 1h00. Alertas e notícias que podem estar prestes a acabar. É que, desta vez, a dança dos minutos chega em plena discussão, a nível europeu, sobre se a mudança de hora deve ser abolida ou continuar a acontecer. Como em quase todas as discussões, não há apenas um lado nem um argumento. E, claro, não há consenso.

O tema ganhou espaço no debate público europeu no último verão, quando a Comissão Europeia resolveu lançar um inquérito aos habitantes do Velho Continente, depois de dois estados-membros, Finlândia e Lituânia, terem mostrado algum desconforto com a mudança horária que acontece, de forma sagrada, duas vezes por ano. Na consulta pública, realizada online, foi perguntado aos europeus se queriam continuar a adiantar e atrasar o relógio, ou se, por outro lado, preferiam um horário único. Os resultados foram esmagadores: 84% das 4,6 milhões de respostas eram favoráveis à abolição da mudança de hora. Mais do que isso, foi a consulta pública mais participada de sempre e o site com o questionário chegou mesmo a ficar inacessível, tal a quantidade de acessos.

O resultado, para Rui Agostinho, diretor do Observatório Astronómico de Lisboa, é falacioso. “Os resultados foram mal interpretados. O assunto não foi debatido na globalidade para as pessoas saberem os prós e contras do que estavam a votar. Os resultados não representam a opinião média dos europeus, mas sim a opinião das pessoas que tinham conhecimento do inquérito e votaram”, salienta.

Ainda assim, houve consequências práticas: Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, não conseguiu fugir à contundência dos resultados e anunciou que a vontade dos europeus ia ser respeitada. “As pessoas querem, nós faremos”, chegou a garantir à televisão pública alemã ZDF — aliás, foi mesmo do país germânico que chegou a maioria dos votantes: 68%.

O executivo europeu chegou ainda a esclarecer que as razões para acabar com a mudança horária prendiam-se com “os efeitos negativos para a saúde, o aumento dos acidentes rodoviários e a inexistência de poupanças de energia”. Mas, para haver uma decisão final, é preciso que a diretiva seja aprovada no Parlamento Europeu pelos Estados-membros (que decidem por maioria qualificada).

Enquanto os vários países vão estudando a matéria, Portugal já tomou posição. António Costa apoiou-se no relatório assinado pelo Observatório Astronómico de Lisboa para defender que deve ficar tudo como está. “Se a ciência entende que o regime horário mais adequado é este, quem sou eu para dizer o contrário?”, referiu o líder do executivo português, um dos mais contundentes, até ao momento, sobre a matéria.

O que está em cima da mesa?

O que Bruxelas vai decidir é a continuidade do horário de verão — mas isto não quer dizer que, no caso de haver um fuso único, esse seja aquele que atualmente é seguido nos meses mais quentes do ano. “A nossa hora legal é a hora de inverno, também conhecida por UTC, que é o tempo universal coordenado”, explica Rui Agostinho ao Observador. “A hora de verão é um extra, um acrescento que é feito pela União Europeia, por isso se chama UTC+1”.

Trocado por miúdos, Bruxelas pode decidir sobre a existência ou não de um horário de verão — o que, na prática, se traduz por haver um fuso único todo o ano. Mas não pode decidir qual o horário pelo qual cada estado-membro opta — isso é competência do país. Ou seja, mesmo que a diretiva da Comissão Europeia siga em frente, Portugal pode optar por ter o horário de verão o ano inteiro ou o horário de inverno. Mas não há a opção de uns países mudarem e outros ficarem como estão: ou mudam todos ou não muda ninguém.

Rui Agostinho explica ao Observador as implicações da escolha de cada horário. “Se mantivermos a hora de verão o ano inteiro, em dezembro o sol vai estar a nascer perto das 9h00, o que é terrível para quem trabalha de manhã. E são quatro meses disto”, sublinha. Para o especialista, a crianças são as mais afetadas; mas mesmo os adultos precisam da luz do sol para despertar.

“O corpo humano reage aos ciclos da luz solar para entrar em repouso e em atividade”, continua Rui Agostinho. “Quando desaparece a luz surge a nossa hormona, a melatonina, que aumenta a quantidade de circulação sanguínea e altera o metabolismo do corpo para começar a desligar as funções. Basicamente, começamos a ficar cansados e a querer dormir”, explica. “A melatonina só desaparece quando chega a luz do sol. Isto quer dizer que, nestes quatro meses, as pessoas estão a forçar acordar quando aquela hormona ainda diz ao corpo para permanecer descansado”, explica.

Mas e se Portugal optar pelo horário de inverno? “Se deixarmos correr este fuso horário o ano todo, durante o verão há duas situações que não vão agradar às pessoas: o sol vai nascer às 5h00 da manhã, o que faz com que haja uma luz solar desaproveitada porque ainda estamos a dormir; por outro lado, o sol vai pôr-se uma hora mais cedo também“, refere o especialista, que sublinha os efeitos negativos em certos negócios e num estilo de vida mais saudável.

“Quando saímos do trabalho e ainda está de dia, podemos praticar atividades de lazer ligadas à saúde. Há muitos negócios que vivem destas atividades e do facto de as pessoas quererem andar na rua. Se isso desaparecer, porque a tarde é mais curta, há um impacto negativo na economia e no bem-estar das pessoas“, alerta Rui Agostinho. Por isso, para o especialista, a melhor solução é optar pelo modelo atual com dois horários. E, aparentemente, António Costa rendeu-se a estes argumentos.

O impacto no sono e no rendimento

Uma das questões mais afetadas pela mudança (ou não) de horário é o sono. Carlos Fernandes da Silva é especialista nesta área e alinha pela mesma batuta de Rui Agostinho: Portugal deveria manter a mudança horária porque, sustenta, “permite uma boa adaptação ao ritmo solar”.

O investigador assume que o atual esquema, que implica a oscilação entre dois fusos, pode gerar “alguns efeitos” sobre as pessoas, sobretudo na altura da mudança. “Mas são uma percentagem pequena de casos e as que mais sofrem são as crianças e os idosos”, sustenta. Ainda assim, diz, nada se compara aos efeitos de andar em contraciclo com a luz solar — o que aconteceria se um dos horários fosse adotado para o ano inteiro.

“O nosso relógio biológico, que regula o sono e a vigília, está ligado ao mundo exterior pela retina”, explica o especialista. “Sempre que os nossos relógios internos não estão de acordo com os ciclos exteriores do meio ambiente, isso vai gerar uma dessincronização interna”, assegura. Viver neste limbo origina uma fatura que poderá ser paga mais tarde: “Fadiga crónica, queda de rendimento, perturbações do sono e da vigília, doenças gastrointestinais, cardiovasculares, incluindo enfarte, e até doenças endócrinas e imunológicas“, sentencia.

Carlos Fernandes da Silva reconhece que é possível um ser humano adaptar-se a acordar de noite ou quando o sol já nasceu há várias horas, mas “apenas a nível comportamental”. Os efeitos na saúde, esses, ficam alojados no nosso corpo. De forma mais ou menos silenciosa, mais ou menos imediata, acabam por ajustar contas mais tarde.

“Biologicamente falando, o ideal seria não fazer a mudança da hora”

As certezas de uns dão lugar às dúvidas de outros: a matéria é sensível e está longe de gerar consenso. Elisa Keating, professora de cronobiologia na Universidade de Medicina do Porto e investigadora do CINTESIS, reconhece o papel da luz na produção hormonal e na regulação do sono e da vigília, mas, daí, tira outras conclusões. “Se não houver mudança de hora, temos possibilidade de nos irmos adaptando, porque o aumento e a diminuição dos dias é gradual”, defende. “O organismo tem mais tempo de se adaptar assim do que se, de repente, se fizer essa mudança”.

O esquema atual, com dois fusos horários, é “artificial”, no entender da especialista. “Apesar de serem apenas 60 minutos, parece que confundem, de facto, os nossos ritmos biológicos, exercem um efeito dessincronizador entre o nosso ritmo biológico e o nosso tempo cronológico. De forma global, os efeitos desta dessincronização passam pelo “risco de doença metabólica, diabetes e doença cardiovascular”. Mas a investigadora acredita que é preciso haver “mais estudos” para concluir, de forma contundente, se estas patologias se aplicam à mudança horária agora em vigor.

Elisa Keating recorda ainda haver estudos que dão conta de um “aumento de enfartes, AVC’s, acidentes de viação e de trabalho nos dias seguintes à passagem para o horário de verão — que é menos bem tolerada pelas pessoas”. Mas a especialista não está certa se isso acontece pela dessincronização do nosso ritmo ou pela perda de uma hora de sono — que podia ser minimizada se os portugueses cuidassem melhor das horas que passam na cama.

“Se as pessoas respeitassem mais o sono isso podia ser minimizado, mas vivemos numa sociedade que desrespeita profundamente o sono. Num mundo em que tudo versa contra a regulação do sono, a mudança de hora parece ter um contributo negativo”, salienta a especialista, que recomenda que as pessoas se preparem antes da mudança para o horário de verão, dormindo mais uma hora.

Eu diria que, biologicamente falando, o ideal seria não fazer a mudança da hora. Mas não há evidência científica suficiente que nos faça tomar essa decisão de ânimo leve, temos de estudar mais”, sintetiza Elisa Keating. “Não vejo com maus olhos uma não mudança, assim como respeito se se decidir a manutenção”.

E as crianças?

Haja ou não mudança horária, as crianças são sempre as mais afetadas, garantem os vários especialistas. Jorge Ascenção, presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, não atribui muito peso à possibilidade de os alunos chegarem à escola ainda de noite.

“Achamos que se deve manter o horário de verão todo o ano. Mas só o de verão, não o de inverno”, anuncia. “Reconhecemos que, de manhã, pode haver essa questão de as crianças se levantarem às escuras, mas entram na escola já com luz. Neste horário, a maioria das atividades ocorre dentro do período da luz solar. Parece-nos que, assim, as crianças vão ter uma vida mais feliz, risonha e mais tempo livre”.

Até porque, acrescenta, “no horário de inverno, quando as crianças estão na última aula já é de noite e isso tem impacto no rendimento delas”. Jorge Ascenção acredita que, no fuso oposto, “há outra alegria, outra energia, as crianças chegam a casa e ainda têm tempo para atividades, nomeadamente em família”.

Filipe Glória e Silva, pediatra especializado em perturbações do sono, acredita que o facto de as últimas aulas poderem coincidir com o anoitecer é “uma questão que não se coloca”. “Hoje, temos boas luzes artificiais. As crianças em ambientes de muita luminosidade, e que utilizam ecrãs, muitas vezes não conseguem adormecer quando chegam à cama. Sobretudo a luz branca e azul são inibidoras da melatonina, que é responsável pela indução do sono”, explica o especialista.

“Mais importante”, garante, “é ter luz de manhã, quando o organismo desperta e faz reset, mesmo que isso seja feito à custa de menor luminosidade ao final da tarde”. Em suma, “se temos de fazer escolhas, tendo em conta a nossa biologia, dou primazia à luminosidade natural de manhã em detrimento de ter mais luz ao fim do dia”.

É por isso que o pediatra acredita que a mudança horária “é salutar”. “Uma criança que chegue à escola ao amanhecer vai estar menos acordada do que a criança que já teve luz do dia ao acordar e no trajeto para a escola”. As consequências são inevitáveis. “As funções cognitivas vão estar menos apuradas, vai estar mais sonolenta e ter menos rendimento, sobretudo nas primeiras horas da manhã”.

Mas para Filipe Glória e Silva tudo tem de ser conjugado com uma educação que privilegie as 10 horas de sono diárias que uma criança em idade escolar deve dormir. “Se as pessoas dormissem o necessário diariamente, não seria por uma mudança horária de uma hora que algo de catastrófico iria acontecer. O nosso organismo tem capacidade de compensar essa mudança, a menos que haja uma privação crónica de sono“, ressalta. Algo que tem sido muito comum no seu consultório. “Os pais que têm dificuldade em exercer a sua autoridade e decidir a hora adequada para os filhos irem para a cama e fazê-la cumprir. Muitas vezes, deixam as crianças decidirem o que querem fazer”, remata.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mudança da Hora

Vai mudar a mudança? /premium

Nuno Crato

A Comissão Europeia promoveu uma consulta sobre a mudança da hora, entre o horário normal e o de verão. Parece que muita gente ficou agradada, mas talvez a emenda seja pior que o soneto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)