Conduzir um camião tipo semi-reboque exige perícia e controlo sobre as reais (e imponentes) dimensões do veículo. Quando a carga é algo tão precioso quanto veículos novos, que os clientes fazem questão de receber imaculados, o grau de exigência aumenta ainda mais e parece ser exactamente este o conceito que a empresa a quem o grupo inglês Jaguar Land Rover recorre para transportar os seus modelos, está a sentir algumas dificuldades em dominar.

Foi instantâneo: eis o Range Rover Velar cabriolet

Em Abril, foi notícia um dos seus camiões de transporte, cujo condutor, fez em segundos o que à Land Rover tardaria anos e largos milhares de libras em cálculos: um Velar descapotável. Ao esquecer-se de baixar o andar superior do trailer por completo, depois de deixar alguns dos veículos que transportava num concessionário, o condutor atacou à velocidade normal uma das pontes na auto-estrada M61, nos arredores de Manchester, cuja estrutura agiu como faca em manteiga e, literalmente, cortou o tejadilho ao Velar que ocupava o primeiro lugar no andar superior do reboque.

Passados apenas seis meses, eis que um transporte similar repetiu o episódio. Nas proximidades de Perth, na Escócia, o camionista, certamente imbuído pela imagem de robustez que a Land Rover reivindica para os seus SUV, decidiu ver quem era mais “rijo”, um Range Rover Sport ou a ponte ferroviária local. A ponte ficou-se por mais uns riscos mas, em compensação, um dos Sport ficou completamente cabriolet, com mais três SUV a incrementar a lista dos estragos, dois Range Rover e um Jaguar F-Type.

No meio de tudo isto, se a seguradora ficou sem motivos para sorrir, pois a conta vai ser elevada, o sentido de humor dos homens do caminho-de-ferro britânico não sofreu a mínima beliscadura, à semelhança da ponte, como aliás se pode verificar pelo tweet que publicaram, imediatamente a seguir ao acidente, com a hashtag #CheckTourHeight.