Animais

Catatuas fazem brinquedos para alcançar a melhor comida

As catatuas fazem uso do bico para construírem ferramentas que lhes permitem alcançar a melhor comida possível, noticia o The Telegraph. Veja o video.

AFP/Getty Images

As catatuas fazem uso do bico para construirem ferramentas que lhes permitem alcançar a melhor comida possível. A descoberta é de uma equipa de investigadores da Universidade de Viena, na Áustria, noticia o The Telegraph esta quinta-feira.  Quer perceber tudo? Veja o video.

Habitualmente conhecidas por serem um animal inteligente, já que conseguem abrir fechaduras, ligar formas e até conduzir miniaturas de bicicletas ao longo de uma corda, os cientistas austríacos testaram durante anos seis catatuas de Goffin: Dolittle, Figaro, Kiwi, Konrad, Pipin e Fini.

Inicialmente, concluíram que as aves conseguiam avaliar o comprimento da caixa para chegarem a boas sementes através de um buraco feito numa caixa de acrílico. Depois, e para complicar as contas às catatuas, moveram as sementes para mais perto do buraco, mas, mesmo assim, os animais responderam favoravelmente ao desafio.  “A maneira como os animais demonstram flexibilidade no comportamento de fabricação de ferramentas entre diferentes distâncias sugere que eles pelo menos aprendem a prestar atenção a diferentes condições”, afirma Alice Auersperg, da Universidade de Viena e chefe do Laboratório de Goffin, ao jornal The Telegraph.

Com a experiência, os investigadores vizualizaram as aves a fazerem uso dos seus bicos como furadores para criar o comprimento da tira de papelão que precisavam, calculando sempre a distância a que estava a comida. Além disso, as catatuas chegavam a rejeitar as ferramentas que consideram que não lhes serviria o propósito. Fini, uma das fêmeas, chegou a fazer uma tira mais fina quando os cientistas fizeram um buraco menor.

“Elas faziam tiras de papelão significativamente mais longas quando a recompensa de comida estava mais longe e tiras mais curtas quando a comida estava mais perto do buraco “, conta Carina Köck, a cientista que conduziu o estudo no Laboratório Goffin.

As catatuas rivalizam o seu nível de inteligência com os macacos e até com humanos de até quatro anos. A prova disso é que a partir do momento em que os investigadores lhes dificultavam os obstáculos, elas ” acabaram por cair na estratégia de fazer ferramentas mais longas, à medida que se tornavam mais eficientes, ou, estrategicamente, faziam ferramentas mais longas, para não correrem o risco de as descartarem”, acrescenta a investigadora.

Muito poucas espécies de animais têm a capacidade de produzir as suas próprias ferramentas para caçar ou pescar alimentos fora do alcance. Mas adaptar ferramentas para diferentes situações representa um desafio cognitivo ainda maior. Os cientistas pensam que estas catatuas desenvolveram estas habilidades, dado que se tratam de animais de ilha, nativas da Indonésia, onde se alimentam de uma variedade de alimentos e criaram uma série de estratégias para o conseguir.

Nesta experiência, os cientistas colocaram as seis catatuas perto de uma caixa  de alimentos que se encontrava entre 1,5 e 6 centímetros atrás de uma folha de plástico com um buraco no centro. Aos pássaros foi dado um pedaço de cartão.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)